Bertrand.pt - Snuff

Snuff

de Alexandre Conefrey e João Jacinto 

idioma: Português, Inglês
Editor: Documenta
Edição ou reimpressão: maio de 2019
Portes
Grátis
10%
14,00€
Poupe 1,40€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock - Envio 24H
portes grátis

Nestas obras de Alexandre Conefrey e João Jacinto o snuff não se vê.
Não fixamos directamente nem o acto de crueldade, nem a grafia da porné.
Não está ali aquilo que se vê num filme, numa fotografia ou no circo romano.

Este livro foi publicado por ocasião da exposição Snuff, de Alexandre Conefrey e João Jacinto, com curadoria de Carlos Corais, realizada na Galeria do Paço - Universidade do Minho, em Braga, de 10 de Maio a 30 de Junho de 2019.

Críticas
«O assunto desta exposição é um assunto terrível, repugnante, fascinante, e o que aqui se mostra (promete?) é o que se não vê, é o que está lá in absentia, é a elipse que devolve o olhar à fatalidade, à sua predação projectiva. O pretexto começou por ser a pornografia, a porné, o medusante das imagens dos genitalia entumescidos em acção, pressupondo o medo de olhar, o prazer de transgredir e a talvez felix culpa. A história do temor regista alguns casos, como as Górgones, que eram vislumbradas nos templos a partir de espelhos, ou como fez Perseu em seu escudo espelhado e Adonai YHVH, o deus dos hebreus, que, no seu frente a frente com Moisés, o obrigou a encobrir suas faces, pois temeu fitar Deus. Também com S. Paulo deus só se deu a ver em espelhos e enigmas. O face a face adiado seria o apocalipse, a porné da grande prostituta da Babilónia. As faces talvez sejam o que há de mais apocalíptico.
Da porné, o tema deslizou num ápice para snuff. Dizem-me o Alexandre Conefrey e o João Jacinto que são filmes criminosos feitos com pessoas em situação ilegal e que combinam o terror com a pornografia.
Os actores à força destes filmes são mortos. Acabou-se. Trata-se da morte.
Da pequena e da grande morte. Questionam-se os atentos se isto será ou não será mito. O termo snuff aparece pela primeira vez no quinto romance de Tarzan, de Edgar Rice Bourrogs, em 1916, como verbo usado pelos vilões para o acto de matar, e generaliza-se como calão quanto a um modo reles de matar. A associação do acto de filmar sexo ao terror, à bestialidade e morte gerou um género a que não faltam condimentos fortes.
A morte em directo ou o sexo em directo estão implícitos na cultura contemporânea mediática. Não é difícil encontrarmos precedentes, quer no real, quer na ficção. O panem et circenses, o pão e circo, ou algumas novelas de Sade como os 120 Dias de Sodoma. O devorar, o fornicar, o ver, o nascer, o morrer, o caçar e ser caçado são indissolúveis. É aqui que se situa o acto de desenhar-pintar.»
Pedro Proença

Snuff
ISBN: 9789898902825 Ano de edição ou reimpressão: 05-2019 Editor: Documenta Idioma: Português, Inglês Dimensões: 170 x 238 x 8 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 112 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Arte  >  Artes em Geral
Livros  >  Livros em Inglês  >  Arte  >  Artes em Geral

Sugestões

Introdução à Análise da Imagem
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
18,90€
Edições 70
O Que Vemos Quando Lemos
20%
portes grátis
10% + 10% Cartão Leitor Bertrand
19,99€ 17,99€
Elsinore
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.