Bertrand.pt - Regiões de Turismo

Regiões de Turismo

 

Editor: Anret
Edição ou reimpressão: abril de 2003
45,43€
Esgotado ou não disponível.

NOTA PRÉVIA

O presente trabalho, publicado sob a égide da ANRET - Regiões de Turismo de Portugal, aborda, numa perspectiva jurídica, as regiões de turismo, uma das instituições mais importantes e representativas do turismo português.

Da exclusiva responsabilidade do seu autor, encontra-se concluído há praticamente um ano, tendo várias vicissitudes retardado a sua publicação. A génese deste trabalho liga-se ao desígnio, surgido na anterior Legislatura, de transformar as regiões de turismo em institutos públicos e de restringir fortemente a representação de interesses privados ou mesmo erradicá-los dos órgãos da pessoa colectiva.

Frustado o desígnio da sua transformação em institutos públicos, que constituiu, como referi, a razão determinante do presente escrito, ele é dado à estampa numa ocasião de novo problemática para o futuro das regiões de turismo, em que se discute um modelo de cariz macro-regional, o qual, apesar de manter inalterado o actual nomem júris, afecta as traves mestras da administração regional e local do turismo.

Apesar destas duas ameaças em tão curto hiato, cultores da regionalização e seus adversários têm convivido pacificamente com o regime de regionalização turística que, no essencial, vigora há dois decénios e que indubitavelmente descentraliza e permite aproximar a administração do turismo dos cidadãos e empresas, mais eficazmente em certos domínios, comparativamente à administração central ou autárquica.

As regiões de turismo brotam da exclusiva iniciativa dos municípios, mas nascem de um acto normativo do Governo e estão sujeitas a tutela administrativa.

A sua arquitectura jurídica, sedimentada numa evolução normativa quase secular de participação local dos cidadãos na administração do turismo, permite uma intersecção assaz profícua dos interesses governamentais e municipais.

Além do mais, a circunstância de se tratar de pessoas colectivas de direito público não afasta a representação dos interesses privados. Ao invés, postula, numa razoável proporção, a representação de entidades privadas, maxime dos empreendimentos turísticos, estabelecimentos de restauração e bebidas e agências de viagens.

A representação de interesses privados não se confina, porém, à assembleia das regiões de turismo, permitindo inclusivamente que intervenham no seu órgão de governo, isto é, que possam integrar a comissão executiva.

Confluem, assim, nas regiões de turismo, os interesses dos municípios, que despoletaram o seu processo de criação e constituem a sua foiça dominante, do Governo, que, entre outros aspectos, lhes conferiu existência jurídica e exerce relativamente a elas tutela administrativa, e dos representantes dos interesses privados, na esteira da longa tradição de participarem activamente na formação das decisões em matéria turística.

Não sendo a actual conjuntura económica a mais adequada para enfrentar a candente problemática do seu financiamento, há certamente aspectos que podem ser melhorados potenciando uma actuação mais eficaz das regiões de turismo, nomeadamente, confinando a intervenção governamental à tutela administrativa prevista nos artigos 33.° a 35.°, libertando-as do espartilho da ratificação pela entidade tutelar dos planos de acção e orçamentos. Sendo consensual a utilidade do plano macro-regional de administração do turismo, o seu surgimento não pode acarretar a extinção das actuais regiões de turismo, devendo encarar-se as duas realidades numa perspectiva de complementaridade e não de exclusão ou absorção, revestindo grande interesse neste domínio a reintrodução da faculdade destas pessoas colectivas de direito publico se poderem agrupar através de federações.

Espero que o escrito contribua, em alguma medida, para a preservação de um modelo inovador de administração do turismo, inflectindo-se, assim, uma tendência, que se vem verificando nos últimos anos, de progressivo definhamento das grandes instituições públicas deste sector.

Lisboa, 26 de Fevereiro de 2003.
Carlos Torres

ÍNDICE

O REGIME JURÍDICO DAS REGIÕES DE TURISMO

I - ANTECEDENTES DA ACTUAL DISCIPLINA DAS REGIÕES DE TURISMO
II - A ACTUAL DISCIPLINA DAS REGIÕES DE TURISMO

LEGISLAÇÃO

A) A EVOLUÇÃO DA DISCIPLINA LEGAL DOS ÓRGÃOS LOCAIS E REGIONAIS DE TURISMO
B) O ACTUAL QUADRO NORMATIVO DAS REGIÕES DE TURISMO

Regiões de Turismo
ISBN: 9789728634162 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Anret Idioma: Português Encadernação: Capa mole Páginas: 480 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Direito  >  Direito Civil

Sugestões

Código Civil - Edição Académica
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
9,90€
Porto Editora, S.A.
Código Civil
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
12,70€
Porto Editora, S.A.
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.