Bertrand.pt - O Risco do Arquitecto

O Risco do Arquitecto

Interesse Público e Autonomia da Profissão

de António Vasco Massapina 

Editor: ARQCOOP, CRL
Edição ou reimpressão: julho de 2007
Portes
Grátis
10%
10,50€
Poupe 1,05€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock - Envio 24H
portes grátis

"O Risco do Arquitecto" é um título propositadamente ambíguo, com dois sentidos: de um lado, revelar e dar a conhecer o enquadramento profissional do arquitecto, o modo como "risca", o desígnio e os propósitos; e do outro, salientar para o "risco" que corre aquele desígnio, enquanto destino e propósito de futuro. A partir da génese da profissão e das organizações profissionais, o autor discorre sobre a formação em arquitectura e o exercício profissional.
Como última profissão humanista e operativa, a Arquitectura sofreu no passado próximo uma modificação profunda, social e científica: actualmente, é exercida por mais de 15 000 arquitectos inscritos na Ordem dos Arquitectos (1 arquitecto para cada 660 habitantes). A política profissional tem defendido a manutenção do território de actuação em vez de promover a sua ampliação. A uma preocupação legítima da falta de exclusividade na responsabilidade, quanto ao projecto de arquitectura, não se tem associado a preocupação de alargar o território de actividade, de criar a diversidade que contribui para a garantia da autonomia profissional.
Querendo a todo o custo manter uma formação abrangente (desde o edifício enquanto unidade mais elementar de projecto, até ao ordenamento do território), gera-se o paradoxo: enquanto aumenta exponencialmente o número de profissionais, não se expande o território de actuação. Para que tal tendência se inverta, é necessário redefinir o conjunto de todos os arquitectos. O aumento exponencial do número de profissionais não teve, assim, correspondência no alargamento das competências profissionais, antes pelo contrário: se a consagração da responsabilidade exclusiva no projecto de arquitectura era incontroversa, noutros sectores da construção de edifícios (como da tecnologia de materiais ou do cálculo dos desempenhos físicos da construção - térmica, acústica e segurança), dispensa-se a intervenção dos arquitectos, com a conivência destes. Assim, ainda hoje a lei não permite que possam ser responsáveis pela classe superior de alvarás da construção de edifícios, como se a respectiva preparação universitária o não permitisse. A formação continua a não corresponder à responsabilidade prática. Até quando a sociedade conseguirá absorver a "legião" de futuros profissionais, é a pergunta que os mil licenciados/ano fazem. A formação académica permite e contribui para que a promoção da procura social da arquitectura possa passar a ser feita a partir de actividades que alarguem o campo de intervenção para lá do projecto dos edifícios, que tradicionalmente foi o "acto próprio" do arquitecto. No mercado da construção, do planeamento urbanístico, do ordenamento do território e do ambiente, em Portugal e na Europa, é indispensável diversificar e alargar a intervenção profissional, no âmbito da realização dos projectos: desenho urbano, paisagismo, reabilitação de edifícios, cálculo de estruturas e de redes, climatização, conforto térmico e acústico, etc. Mas diversificar significa, ainda, intervir em sectores específicos, para além do projecto, onde concorrem outras profissões, por vezes menos habilitadas: preparação, segurança e direcção de estaleiros, controlo de qualidade, concepção e produção dos materiais, regulamentação técnica, imobiliário e avaliações, segurança e qualidade, eficiência energética, redes de infra-estruturas, seguros, legislação, etc. Só assim se ganhará promoção social e reconhecimento da competência e da necessidade do amplo conjunto profissional.
O autor informa o público em geral mas quer desinquietar as consciências dos estudantes e dos profissionais que, no seu entender, se têm deixado orientar por um projecto político de organização profissional que se esgotou e que, por isso, precisa de ter um novo início, uma redefinição útil e inevitável, com base na diversidade da formação académica.

O Risco do Arquitecto
Interesse Público e Autonomia da Profissão
de António Vasco Massapina 
ISBN: 9789899547803 Ano de edição ou reimpressão: Editor: ARQCOOP, CRL Idioma: Português Dimensões: 170 x 240 x 15 mm Páginas: 190 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Arte  >  Arquitetura

Sugestões

Filicidade
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
13,50€
Luz da Razão Editora
Rebocos de Terra
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
15,00€
Argumentum
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.