Bertrand.pt - Liberdade - Culpa - Direito Penal

Liberdade - Culpa - Direito Penal

(3ª Edição)

de Jorge Figueiredo Dias 

Editor: Coimbra Editora
Edição ou reimpressão: abril de 1995
Portes
Grátis
20%
15,86€
12,69€
Em stock - Envio 24H
portes grátis

PREFÁCIO DA TERCEIRA EDIÇÃO

Esgotada, há já alguns anos, a 2.ª edição deste livro, de novo a Coimbra Editora Lda, com uma amizade que o passar do tempo só tem tornado mais sólida, me convidou insistentemente à sua reimpressão. Convite a que fui resistindo por pensar que, numa altura em que as minhas concepções sobre a doutrina da culpa jurídico-penal me pareciam em vias de poder modificar-se em alguns pontos, seria pouco justificável dar de novo à estampa um livro que tem precisamente aquela doutrina por objecto principal.

As dúvidas que no fundo eu levantava à subsistência de algumas posições que neste livro se defendem resultavam sobretudo da continuação daquele «diálogo que supera fronteiras» a que me convidara o meu colega muniquense — e agora, depois do seu doutoramento honoris causa pela minha Faculdade, também coimbrão — Claus Roxin e que eu referia no Prefácio da 2.ª edição. Dúvidas que só se tornaram mais fundas depois que aquele insigne penalista publicou, em 1992, o seu magnífico Tratado da Parte Geral do Direito Penal (hoje já em 2.ª edição!) e nele quis de novo, como já o fizera no seu artigo publicado na Revista Portuguesa de Ciência Criminal 1 (1991), p. 503, entretecer-se criticamente com algumas das teses que neste livro se avançam.

Se eu me atrevesse a apontar o mais fundo nódulo problemático que na matéria vive, diria que ele reside — não tanto na imprescindibilidade de opção , quanto — na tensão entre exigências «absolutas» e «relativas», entre uma concepção ético-jurídica e uma concepção funcionalista da culpa jurídico-penal. Para alguns dos críticos mais atentos, o meu pensamento, que teria partido de um estrito ponto de vista ético, estaria a aproximar-se perigosamente de uma concepção puramente fiincionalista — se nela não teria desaguado já; enquanto para outros, pelo contrário, a minha concepção actual não seria suficientemente funcionalista e continuaria (como está, de resto, escrito no subtítulo do posfácio à segunda edição) eivada do propósito de «reconstrução ético-jurídica do conceito de culpa em direito penal».

Devo dizer que estas dúvidas foram durante tempos também as minhas. E creio que elas se tornam suficientemente perceptíveis no último escrito que publiquei sobre o assunto: o cap. VI do artigo «Sobre o estado actual da doutrina do crime», contido nas pp. 7-30 da Revista Portuguesa de Ciência Criminal 2 (1992). Por esta razão, decidi-me a publicar, também desta vez, um Posfácio à 3.ª edição, que reproduz praticamente o que escrevi no estudo da Revista que há pouco citei. Procurando deste modo fazer da 3.ª edição deste livro — como ensaiara na 2.ª edição — uma espécie de itinerário interior do que tem sido o debate da questão da culpa jurídico-penal comigo mesmo e com todos aqueles que me acompanham nesta aliciante aventura do espírito, que me ajudam a reflectir sobre ela e com os quais a cada momento aprendo.

Coimbra, Maio de 1995
JORGE DE FIGUEIREDO DIAS

Liberdade - Culpa - Direito Penal
(3ª Edição)
ISBN: 9720032006702 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Coimbra Editora Idioma: Português Dimensões: 160 x 229 x 18 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 320 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Direito  >  Direito Penal

Sugestões

Código Penal - Edição Académica
10%
portes grátis
10,90€ 9,81€
Porto Editora
Códigos Penal e de Processo Penal e Legislação Complementar
10%
portes grátis
19,00€ 17,10€
Quid Juris
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.