Bertrand.pt - Estética

Estética

de Hegel 

Editor: Guimarães Editores
Edição ou reimpressão: abril de 1993
23,83€
19,06€
Esgotado ou não disponível.

«De Vorlesungen über die Ästhetik», contendo as lições de Estética que Hegel proferiu entre 1820 e 1829, em Heidelberga e Berlim. Em tradução portuguesa de Álvaro Ribeiro e Orlando Vitorino.

A Estética, ou Filosofia da Arte, emerge do sistema de Hegel como um corolário da Filosofia do Espírito. A «Estética» (Äesthetik) contém a mais impressionante das prelecções orais, ou conferências (Vorlesungen) proferidas por Hegel na Universidade de Berlim e registadas por amigos, discípulos e ouvintes. ‘‘A Estética de Hegel constitui não somente o primeiro sistema integral de uma filosofia da arte, que pela profundeza e vitalidade de concepção, pela riqueza e variedade das ideias que contém, ultrapassa em muito o que antes e então tinha sido produzido neste domínio; mas, até agora, apesar de tudo o que se tem feito para preencher as lacunas e obter uma melhor disposição das divisões principais, ela ainda não foi, no essencial, ultrapassada’’ (Th. Vischer). Dizemos em Berlim, por ter sido sobre as prelecções berlinenses que os discípulos organizaram o texto. No entanto, Hegel, preleccionou Estética em Heidelberga, tendo apurado as licções em Berlim, no semestre do Inverno de 1820-1821, nos semestres do Verão entre 1823 e 1826 e, por fim, nos semestres de Inverno de 1828-1829.

Primeiramente incluída nos Werke, ou Obras, («Vorlesungen über die Ästhetik», segundo a leitura de H. G. Hotho, no respectivo volume X das Obras), a palavra do título era, ao tempo, uma novidade, sendo originada na escola de Wolf, até que Baumgarten fez da Estética uma disciplina independente.

Significando conhecimento da sensação, ou do sentimento, a palavra, assente no helenismo aísthêsis, não diz exactamente tudo o que se pretende dizer. Na época chegou-se a propôr que, a teoria da arte, ou do belo, se chamasse calística, do grego "kalós", belo, mas a sugestão não prevaleceu. Utilizando a palavra, à falta de melhor, para designar a Filosofia da Arte, Hegel acabaria por dar consistência à palavra, tanto na ordem da compreensão como da extensão, por a assumir e expôr em plenitude de conceito.

A primeira tradução portuguesa apareceu nos inícios do decénio de 1950, em nova iniciativa dos Editores, na Colecção Filosofia & Ensaios, entre 1952 e 1964, sob a responsabilidade de Álvaro Ribeiro e Orlando Vitorino.

Plano da Obra

Introdução à Vida e Obra de Hegel
(Pinharanda Gomes)

Introdução
I Parte —A Ideia do Belo na Arte ou do Ideal

II Parte —Desenvolvimento do Ideal em formas de Arte particulares
I Secção— A Arte Simbólica
II Secção— A Arte Clássica
III Secção— A Arte Romântica

III Parte —Sistema das Artes
I Secção— Arquitectura
II Secção— Escultura
III Secção— Pintura - Música - Poesia

Estética
de Hegel 
ISBN: 9789726653783 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Guimarães Editores Idioma: Português Dimensões: 173 x 240 x 28 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 680 Tipo de Produto: Livro Coleção: In Folio Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Ciências Sociais e Humanas  >  Filosofia

Sugestões

Ou-Ou
20%
portes grátis
18,00€ 14,40€
Relógio D'Água
Manuscritos Economico-filosóficos
20%
portes grátis
14,90€ 11,92€
Edições 70
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.