Bertrand.pt - Esta Voz é Quase o Vento
Opinião dos leitores
(1)

Esta Voz é Quase o Vento

de José Agostinho Baptista 

Editor: Assírio & Alvim
Edição ou reimpressão: abril de 2004
24H
Portes
Grátis
10%
12,00€
Poupe 1,20€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock - Envio imediato
portes grátis

Em 2000, com a publicação de «Biografia», José Agostinho Baptista encerrava um longo ciclo de escrita, reunida nesse volume. Agora, «Esta Voz é Quase o Vento» vem dar continuidade à nova fase de produção poética iniciada com «Anjos Caídos» (2003).

Críticas de imprensa
"Não sabemos o estado de espírito com que José Agostinho Baptista abandonou ou terminou a escrita deste seu novo livro de poemas. Acreditamos, contudo, que depois de "atravessar" um corpo poético tão fulminante e dilacerante com este, o autor sinta necessidade de respirar fundo e de, por momentos, por horas, por dias ou meses, descansar a mão, que é como quem diz a memória, que é como quem diz necessidade de apaziguar a alma sustendo a sangria de sentimentos. Tudo porque Esta Voz é Quase o Vento chega-nos com a força de uma tempestade, como se de uma voz detentora da força do vento se tratasse, uma "voz-de-vento" feita lamento, feita também viagem pelas memórias ou rumo a um futuro de negro adivinhado."
in Magazine Artes, Novembro de 2004

"A poesia é sempre religiosa, pois desperta a loucura humana de restabelecer a ligação perdida com a natureza, o mundo, o cosmos. A poesia é, afinal, a demada mítica de um tempo primordial sem separações entre homem e homem, entre homem e infinito. Mas se toda a poesia é isso, que é tudo, o poeta José Agostinho Baptista - galardoado há dias com o Prémio Pen Clube - sublinha cada vez mais a religiosidade da sua criação. A sua obra sempre foi religiosa, mas Esta voz é Quase o Vento é-o essencialmente: 'Sou apenas um homem entre as lápides./ E, quando os mortos murmuram o meu nome, digo simplesmente que estou aqui,/ acendendo velas,/ rezando outra vez, com palavras humildes,/ nos altares destruídos (...)' A angústia do quietismo."
Torcato Sepúlveda, Grande Reportagem

"Exercício de memórias e despedidas o deste pequeno volume de um dos poetas grandes de língua portuguesa. Um adeus pungente que atravessa paisagens familiares, o regaço materno, os cais e paragens do país, as casas brancas onde as buganvílias crescem à porta, as preces."
S.S.C., Visão

Excertos

COMOVEM-ME

Comovem-me ainda os dias que se levantam
no deserto das nossas vidas.

Dos belos palácios da saudade
não resta a impressão dos dedos nas colunas
fendidas, e nada cresce nos pátios.

Muito além, depois das casas, o último
marinheiro continua sentado.
Os seus cabelos são brancos, pouco a pouco.

Aqui, tudo se resume a algumas tâmaras que
secaram ao sol,
longe do orvalho,
das fontes que pareciam nascer de um olhar
turvo sobre a sede da terra.

Comovem-me ainda as palavras que dizias
aos meus ouvidos aprisionados pela música.
Comovem-me as cadeiras vazias, no pátio.

Lembro-me sempre de ti.


COMOVEM-ME

Comovem-me ainda os dias que se levantam
no deserto das nossas vidas.

Dos belos palácios da saudade
não resta a impressão dos dedos nas colunas
fendidas, e nada cresce nos pátios.

Muito além, depois das casas, o último
marinheiro continua sentado.
Os seus cabelos são brancos, pouco a pouco.

Aqui, tudo se resume a algumas tâmaras que
secaram ao sol,
longe do orvalho,
das fontes que pareciam nascer de um olhar
turvo sobre a sede da terra.

Comovem-me ainda as palavras que dizias
aos meus ouvidos aprisionados pela música.
Comovem-me as cadeiras vazias, no pátio.

Lembro-me sempre de ti.

  • Uma ilha chamada poesia
    Henrique Fialho - Livreiro Bertrand La Vie Caldas da Rainha | 14-09-2017

    Aspecto largamente sublinhado acerca da poesia de José Agostinho Baptista é a sua autonomia face a correntes de estilo e uma independência total, para não dizer isolamento, que a tem colocado à margem de todas as associações simplistas e canonizações redutoras. Faz por isso sentido a comparação desta voz com o espaço geográfico que acolhe o poeta: uma ilha. Como todas as ilhas, também esta tem os seus climas muito especiais, a especificidade que a caracteriza e distingue de todas as outras. Começa desde logo por ser uma ilha cuja relação com a natureza que a envolve assume um papel preponderante: não apenas a do estabelecimento dos ambientes onde se desenrola o discurso poético, mas sobretudo o papel de marcação dos ritmos desse próprio discurso.

Esta Voz é Quase o Vento
ISBN: 978-972-37-0928-5 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Assírio & Alvim Idioma: Português Dimensões: 146 x 206 x 12 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 144 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  Poesia

Sugestões

Poemas Reunidos
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
44,00€
Assírio & Alvim
Poemas da Antologia Grega
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
8,80€
Assírio & Alvim
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.