Bertrand.pt - Entre a Reclusão e a Liberdade (Estudos Penitenciários) Vol. I

Entre a Reclusão e a Liberdade (Estudos Penitenciários) Vol. I

de João Luís Moraes Rocha 

Editor: Edições Almedina
Edição ou reimpressão: abril de 2005
24H
Portes
Grátis
20%
18,17€
14,54€
Em stock - Envio em 24H
portes grátis

PREFÁCIO
Prólogo, antelóquio ou prefácio é o escrito que apresenta a obra aos leitores. Venha praxe de cortesia, serve de síntese do escrito e permite justificações, confissão de erros e falhas.
Quando este discurso preliminar é redigido por outrém que não o autor, redunda, no mais das vezes, esta vetusta tradição em elogio que o público lê numa atitude de suspicácia.
As linhas que introduzem esta obra constituem sobretudo uma confessa justificação, porquanto de insuficiências, erros e falhas o leitor deles dará conta.
Durante cerca de três anos o subscritor destas linhas, por razões profissionais, contactou quotidianamente e de forma estreita com o sistema prisional português. Esta aproximação permitiu ouvir todos os intervenientes, ver as circunstâncias concretas do dia a dia carceral, conhecer algumas dificuldades estruturais e conjunturais do sistema, lidar de perto com as carências e especificidades do quotidiano prisional e, amiúde, constatar a ausência de reflexão fundamentada sobre os múltiplos aspectos desta instituição total.
Para além de raras e honrosas excepções, em regra incidindo sobre aspectos muito específicos, não existem entre nós estudos penitenciários e o discurso que sobre o tema se instalou prima pelo desconhecimento. Discurso meramente opinativo, potenciado e alimentado pela comunicação social em que se troca o saber pela divulgação fácil e porventura errónea, exibe-se o cortejo das opiniões mais infundamentadas, confundindo-se o público com palavras e ideias soltas que só aparentemente ou por mero acaso se adequam à realidade dos factos.
Da forma mais inconsequente põe-se em causa o sistema prisional, denigre-se os diversos intervenientes numa espiral de sensacionalismo. Nesse vórtice cometem-se grandes injustiças e elaboram-se erros crassos, destes últimos resultam, de forma avulsa, feridas para o sistema e para os vários intervenientes no quotidiano prisional que podem deixar marcas tão inconsequentes como nefastas.
O sistema penitenciário não é nem nunca será perfeito, ele constitui uma forma lamentável de intervenção do Estado. Embora lamentável é, neste momento histórico, necessário à sociedade e tudo indica que nos anos que se avizinham continue a ser e de forma potenciada a resposta a determinado tipo de desvio, dito de criminal.
Anquilosado, o sistema prisional português debate-se com problemas crónicos como seja o da sobrepopulação prisional. Mas este é apenas um dos problemas, sendo o mais facilmente mensurável e, portanto, evidente. Poderá não ser o mais grave — ou percebido como tal —, em termos de consequências na população prisional e na sociedade. Recorde-se, por exemplo, o alastramento da droga e da sida nos estabelecimentos prisionais, a insuficiência de cuidados médicos ou a insegurança face os demais encarcerados, a constituir preocupação bem mais nefasta do ponto de vista da população reclusa. Na perspectiva de quem trabalha intra-muros, a crónica carência de meios, a falta de incentivos, a incompreensão e o desvalor a que são votados por uma sociedade acobertada e negligente ou propositadamente míope em relação à realidade prisional... E, por outro prisma, a elevada taxa de reincidência, a insegurança decorrente da menor eficácia dos sistemas de controlo social, a constituir uma preocupação crescente numa perspectiva exterior aos muros da prisão.
Detectar as disfunções, actuar sobre as causas das falhas, torna-se assim um imperativo para o sistema prisional. De outra forma, a acção mais não é do que um esforço cego, adiando-se sucessivamente qualquer reforma consequente. E, adite-se, corre-se o risco de introduzir pseudo soluções que mais contribuirão para o desgaste do sistema prisional vigente.
O esforço e o empenhamento da grande maioria dos operadores do sistema penitenciário e judiciário, numa área carente, nos mais diversos planos, e cronicamente desajustada à actualidade, é num conspecto geral baldado. São batalhas quotidianas, esforços sempre repetidos, canceiras sucessivas, sem recompensa que não seja a de se ter feito o melhor que era possível fazer... sabendo-se que não está bem.
Nos inícios do ano de 2002, a Direcção-Geral dos Serviços Prisionais, dando execução ao disposto no n.º 3, do art. 57. º do Decreto-Lei n. 265/79, de l de Agosto, numa atitude inovadora entre nós, procedeu a uma investigação sobre as licenças de saída prolongada, vulgo saídas precárias.
Essa investigação teve início em 2002, tendo encerrado a fase da recolha no terreno em meados desse mesmo ano.
Desse trabalho resultou um manancial de informação que permitiu a elaboração de diversos estudos, quatro dos quais estão inseridos no presente volume, o primeiro de dois.
Cada um destes quatro estudos é autónomo em relação ao conjunto dos dois volumes. Essa autonomia deriva da diversidade dos seus co-autores. Pese os benefícios da auto-suficiência de cada um dos estudos, será possível surpreender na respectiva fase introdutória de cada um alguma repetição, foi um risco assumido e imposto pela coerência interna de cada trabalho.
O presente volume reúne alguns estudos que em comum têm por objecto a realidade penitenciária recolhida na aludida investigação e, ainda, um outro que neste tomo os precede, sobre a legislação penitenciária. Não se empreende, assim, um estudo sistemático sobre o tema penitenciário, aborda-se apenas alguns dos seus aspectos.
Neste primeiro tomo, agregam-se os seguintes estudos:

Notas sobre a legislação penitenciária portuguesa
Moraes Rocha & Catarina Sá Gomes

Reclusões, números e interrogações
Moraes Rocha & Isabel Tiago Oliveira

Motivação para o regresso
Moraes Rocha, Bruno Caldeira, Ana Miguel & Paula Tavares

Não voltar...
Moraes Rocha & Ana Miguel

Determinante rede social nas saídas precárias
Moraes Rocha & Sofia Silvério

Reflectir sobre o penitenciário é um risco tão grande quanto a multiplicidade de temas, enfoques e problemas que aquela realidade encerra. Não existe uma prisão, existem prisões.
Entre o Estabelecimento Prisional de Vale de Judeus e a cadeia da Horta não são só a dimensão dos muros que diferem, tudo é diferente. E, cada recluso é um mundo, cada equipe prisional um universo, cada director um director. O "gradão" bate de forma diferente em cada estabelecimento prisional e, de forma diversa no mesmo estabelecimento, dependendo da concreta ocupação, isto é, das pessoas que em determinado lapso de tempo o habitam.
Este pano de fundo, de alguma forma simultaneamente multifacetado, cinzento e indefinido para a generalidade dos observadores, confere uma opacidade pertinaz, avessa a abordagens voluntariosas.
Cientes do risco, estes estudos assumem-se como um esforço de racionalização. Uma forma de abordar o tema penitenciário que vá para além do aparente, que procure causas e sentidos. Que abra caminhos do mesmo passo que reconheça o desconhecimento, muitas vezes reconhecer a ignorância é o primeiro degrau do conhecimento.
Esta colectânea de estudos não seria possível sem co-autoria. A sua diversidade e extensão exigiram dedicação, dispêndio de tempo e profundidade de análise que o signatário não comportava a sós. Foi uma necessidade mas também uma honra e um prazer contar com a participação dos co-autores que pela sua diversa formação profissional, permitiu uma maior riqueza de análise.
Que o esforço de racionalização seja útil para elevar o debate sobre o penitenciário é o desiderato sincero dos autores, que possa servir para melhorar as condições de trabalho no sistema penitenciário e tornar útil, para o recluso e para a sociedade, o tempo de reclusão são a ilusão do subscritor destas linhas.
Ericeira, 2004
João Luís de Moraes Rocha

ÍNDICE

Algumas Notas sobre Direito Penitenciário

Introdução
Capítulo I - Enquadramento Geral
Capítulo II - Princípios informadores do direito penitenciário
Capítulo III - Saída Precária Prolongada
Capítulo IV - Liberdade Condicional
Capítulo V - Inimputáveis Perigosos

Reclusões, Números e Interrogações

A saída precária prolongada
Análise estatística das entrevistas aos reclusos que beneficiaram de licença precária
Considerações finais

Motivação para o regresso

Enquadramento
I - Aspecto jurídico
II - Aspecto psicológico
Metodologia
Análise de dados
I - Família
II - Projecto de vida
III - Consequências jurídicas
IV- Tempo de pena
V - Apoio institucional
VI- Noção de dever

Não voltar

Introdução
Algumas considerações sobre o processo de tomada de decisão
Casos

Determinante Rede Social

Introdução
Enquadramento teórico
1. Função da pena
2. Perspectiva legal nacional
3. Rede social
4. Reinserção, resocialização e rede social
Estudo empírico
1. Procedimentos metodológicos
2. Caracterização da amostra
3. Apresentação e análise de dados
Resultados e discussão
I - Relações familiares
II - Amigos
III - Vizinhança
IV- Trabalho
V - Instituições
Conclusão
a) Enquadramento
b) Resultados

Entre a Reclusão e a Liberdade (Estudos Penitenciários) Vol. I
ISBN: 9789724024004 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Edições Almedina Idioma: Português Dimensões: 159 x 229 x 17 mm Páginas: 306 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Direito  >  História e Estudos do Direito

Sugestões

Manual de Introdução ao Direito
20%
portes grátis
22,00€ 17,60€
Edições Almedina
Introdução ao Estudo do Direito
20%
portes grátis
31,80€ 25,44€
Coimbra Editora
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.