Bertrand.pt - Cinco Mil Anos de Cultura a Oeste

Cinco Mil Anos de Cultura a Oeste

Etno-História da Religião Popular numa Região da Estremadura

de Moisés Espírito Santo 

Editor: Assírio & Alvim
Edição ou reimpressão: abril de 2005
24H
Portes
Grátis
20%
33,00€
26,40€
Em stock - Envio imediato
portes grátis

Numa «quadrícula» da Estremadura (concelhos de Nazaré, Alcobaça, Rio Maior, Porto de Mós, Batalha e Leiria) tomando por guião a religião popular (que é ancestral e imorredoura) e a toponímia (libertada dos estereótipos latinistas e arabistas), o autor põe a claro estratos da cultura lusitano-fenícia (ou lusitano-púnica) que foi tabu académico até aos anos 80 do século XX (proibido investigar). A partir duma capela à Senhora da Luz, perto de Aljubarrota e do que foi o porto lusitano-fenício de Cós, deparamo-nos com um santuário megalítico à Lua (ainda quase intacto) e com resquícios do mito da «Descida de Istar aos Infernos» referente aos mistérios de Istar/Ísis (a Lua). A Lua foi uma das expressões da «Magna Mater» dos lusitanos (ainda invocada há trinta anos) donde provêm a Senhora da Conceição popular e a Senhora dos Prazeres (nome que não teve relação com gozos). De fio a fio, descobre-se que a história da Senhora da Nazaré é a tradução dum poema épico fenício escrito no século XV a.C., que a lenda de Santo Amaro procede da «Epopeia de Guilgamesh» (texto babilónico do século XXV a.C.) e que das mesmas paragens vieram outros deuses que deram os cultos populares de S. Brás, S. Bartolomeu, Santo António, Santa Susana, S. João (e a Moura Encantada)… Com uma digressão pelas fontes da região, ficamos a saber que algumas - pelos seus nomes - já foram lusitanas: ora de casamentos ora medicinais e uma, até, em memória da aparição da deusa Istar a uma rapariga. De lugar em lugar, por entre mitos e arqueossítios, emerge um vasto rol de descobertas como, por exemplo, a lenda da Padeira de Aljubarrota que foi um ditote lusitano-fenício/púnico referente a ladrões de celeiros, extraído do nome da terra. No fim da caminhada descobre-se uma rede de silos de cereais escavados na rocha (afro-orientais, da civilização púnica). E como esta cultura veio pelo mar, atente-se a como a gíria dos marujos portugueses foi a linguagem técnica dos mareantes acádico-fenícios.

Cinco Mil Anos de Cultura a Oeste
Etno-História da Religião Popular numa Região da Estremadura
ISBN: 978-972-37-0950-6 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Assírio & Alvim Idioma: Português Dimensões: 168 x 239 x 31 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 544 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Religião e Moral  >  Ciência e História das Religiões

Sugestões

O que a Biblia Diz Sobre... O Casal
20%
portes grátis
9,90€ 7,92€
Paulus
Evangelho Lido na Tradição Cristã - Ano B
20%
portes grátis
17,00€ 13,60€
Paulus
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.