Bertrand.pt - Cánticos de la Frontera / Cânticos da Fronteira

Cánticos de la Frontera / Cânticos da Fronteira

 

Editor: Trilce Ediciones
Edição ou reimpressão: dezembro de 2005
Portes
Grátis
10%
10,60€
Poupe 1,06€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Envio até 10 dias
portes grátis

Não dorme a fala nem renuncia ao canto todo o poeta fidedigno. Fulgor de sua bússola sobre enigmática raiz revelando-se: afunda-se na razão, devoto de venerandas palavras; lança-se ao inesquecido, qual fiel profeta dos sentimentos.
Travessias por todos os desterros; confissões pelos oratórios mais ignotos, por belas herdades que a sua respiração desoculta. Pisa as inevitáveis brasas; alegra-se possuindo o mundo. O poeta vai inoculando os seus cânticos no ouvido dos iniciados, fazendo eco da fronteira, afrontando - rebelde - o seu destino. Como império, a escultura do verso...

Espanha e Portugal são duas nações siamesas nascidas de um mesmo esforço da terra. Mas nem sempre a fraternidade foi a meta daqueles que governaram os seus territórios. A História acumula tristes vestígios que é bom recordar sem excessivas estridências. Outro canon diferente existe nesta nova Europa, abrindo as suas fronteiras interiores, como que voltando a tempos passados, em que o comum eram estes deslocamentos que agora resultam aparentemente inovadores. Mas hoje - mais do que antes - procura-se avançar arrumando princípios e desprezos, receios e vaidades: válida e transcendente é a fraternidade entre povos que dedicam atenção uns aos outros, que se sabem pertencentes a uma mesma raiz cultural. Os poetas e artistas deram desde sempre - penso em Shakespeare, Cervantes, Camões, Leonardo... - boa parte do seu espírito em prol de uma Europa unida. Por isso torna-se infindável a esperança de um destino que não cresça leviano e com dissimulações: a poesia impregna e ilumina toda a criação que busque ser duradoura; é a fonte para as horas da alma e da arte crente num dom divino.
Em Salamanca apresentaram as suas credenciais duas selecções irmanadas pela poesia. O jogo terá - algum dia - uma natural segunda volta. No encontro de carácter amigável em campo charro [de Salamanca] alinharam onze poetas por equipa: dez de corpo presente por cada selecção, mais um avançado-centro cuja alma ronda o coração de todos. Assim se quis recordar a viva presença do valhadolidiano Francisco Pino, junta à do poeta de Póvoa da Atalaia, Eugénio de Andrade. Duas regiões, outrora separadas por uma Raia, lamberam as feridas e cantaram para dar conta de uma realidade que outros desmantelam ou encobrem. Contou-se com os artistas [plásticos] como eles contam com os poetas: pintores e poetas trabalham com similar matéria prima. A música convive feliz com a poesia. Poetas, fotógrafos e escultores sabem da alquimia das imagens e por isso convergem em toda a renovação dos seus reflexos.
De Castelo Branco, Valhadolid, Coimbra, Salamanca, Burgos, Viseu, Leão, Guarda... Também de Cuba e Moçambique (dois excelentes poetas, convidados especiais), porque ainda que sendo fronteiriço o encontro, os idiomas foram levados a outros continentes e de lá voltaram, revivendo sem desvanecimento. E postos a desterrar temas, os poetas e artistas [plásticos] portugueses puderam constatar como as terras e gentes do seu país estão inseridos na medula criativa dos seus homólogos castelhano-leoneses. Aqui convém recordar essas belas palavras de Guerra Junqueiro para o seu amigo Miguel de Unamuno, quando numa carta recordava ao reitor salamanquino o privilégio que este tinha de poder sonhar com os olhos abertos enquanto caminhava pela incomparável rua da Compañía. A Casa das Conchas - lugar onde se celebrou o encontro - está encravada precisamente nessa sonhadora rua.
É de destacar o empenho da Junta de Castela e Leão, cuja Assessoria de Cultura e Turismo propiciou cantos tão íntimos. Arte e poesia conviveram neste livro onde fica estampada a intensidade do profundo.

Cantos próximos fazendo premonitórios equilíbrios sobre o espaço vivo do coração: o porquê de tal aliança deve-se à irrigação da semente - Odisseia do sentimento - e ao verbo perseguido para lá de qualquer fronteira terrena ou mental.

Dezembro e Tejares (2005)
ALFREDO PÉREZ ALENCART
Universidade de Salamanca
(tradução de Jorge Fragoso)

Cánticos de la Frontera / Cânticos da Fronteira
ISBN: 9788495850980 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Trilce Ediciones Idioma: Português Dimensões: 135 x 230 x 20 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 240 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  Poesia

Sugestões

Labareda
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
21,90€
Tinta da China
Traçar um Nome no Coração do Branco
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
12,20€
Assírio & Alvim
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.