Bertrand.pt - Anotações à Lei da Prisão Preventiva e Legislação Complementar

Anotações à Lei da Prisão Preventiva e Legislação Complementar

de Fernando Macedo e Pedro Romão 

Editor: Edições Almedina
Edição ou reimpressão: maio de 2008
15,15€
Esgotado ou não disponível.

Lei Constitucional - Lei da Procuradoria-Geral da República
Lei das Revistas, Buscas e Apreensões - Angola

Prefácio

I. O Dr. Pedro Franco Romão pediu-me para prefaciar o comentário à Lei da Prisão Preventiva angolana, por ele e pelo Dr. Fernando Macedo elaborado. Aceitei com gosto e sinto-me muito honrado pela deferência para comigo e por poder, ainda que de forma muito modesta e distante, contribuir para o aperfeiçoamento do processo penal no Pais irmão, mas sobretudo pelo que o trabalho do Dr. Pedro Romão e do Dr. Fernando Macedo representa no seu entusiástico empenhamento na construção de um autêntico Estado de Direito na sua Angola.
Um prefácio não tem de ser a apologia da obra; pode consistir simplesmente na sua apresentação. No caso seria incorrecto que me atrevesse a comentar a Lei e como é aplicada, não só por não estar familiarizado com a sociedade e prática processual penal angolanas, mas também porque a apreciação crítica de institutos da natureza da prisão preventiva é essencialmente um acto de cidadania activa e por isso deve caber primordialmente aos angolanos. Se não devo comentar a Lei, posso, porém, apreciar o comentário dos Autores na sua motivação pessoal e fundamentação teórica. A prisão preventiva é a janela que mostra o respeito pela liberdade dos cidadãos em qualquer ordem jurídica, quer na perspectiva da sua regulamentação legal, quer no modo como é aplicada. A frequência com que se recorre à prisão preventiva e a forma da sua execução constituem o barómetro do culto da liberdade, componente essencial do Estado de Direito material. Por isso até que não seja irrelevante que os Autores tenham escolhido o instituto da prisão preventiva para sua primeira publicação.
Não é irrelevante a escolha, desde logo porque se insere na militância cívica dos doutores Pedro Romão e Fernando Macedo. Os Autores apresentaram-me o seu trabalho como constituindo «apenas um passo e um pequeno contributo para a discussão da problemática da prisão preventiva em Angola, com vista ao seu aperfeiçoamento e reformulação», «tendo sempre presente os cidadãos desconhecidos e indefesos que, não poucas vezes, enfrentam sozinhos o Poder que procura a legitimação do abuso da força na lei perversamente interpretada e aplicada». O propósito de luta pelo Direito e pela Justiça é a natural continuação da militância dos Autores na AJPD — Associação Justiça, Paz e Democracia, de que foram dois dos fundadores, mas o modo de intervenção não desmerece a motivação. Entusiasmou-me a militância, mas não me desmereceu a análise e críticas jurídicas.
II. Os comentários aos artigos da Lei são muito mais do que «singelas notas», como o qualifica Pedro Romão na nota introdutória, pois são sempre apoiados na boa doutrina, dedicada à defesa dos direitos humanos, e inspirados na jurisprudência portuguesa, mas tendo sempre presente a necessária conformação da interpretação à Lei Constitucional de Angola, como se impunha num trabalho que, sendo político, em sentido nobre, é também um trabalho de exegese jurídica para serviço dos práticos do Direito. O Direito é uma ciência prática, destina-se a ser aplicada aos casos da vida em sociedade: o Direito é pauta para a acção dos homens. Nenhuma interpretação será jurídica se não for humana e razoável. E o humano não é lógica, mas vida. Daí haver no universo jurídico lugar para uma lógica humana, a lógica do razoável, em oposição à lógica formal dos conceitos puros. O texto do comentário reflecte essa lógica do razoável, como se pode ler na nota introdutória em que Pedro Romão sente necessidade de esclarecer que nem eles, nem a AJPD reduzem a justiça aos direitos dos arguidos, antes a justiça para todos que se alcança, «em última análise, com a consolidação do Estado de Direito», consolidação que, acrescentamos nós, passa inevitavelmente pela protecção intransigente dos direitos fundamentais de todas as pessoas, também e especialmente porque mais precisam dos suspeitos ou arguidos em processo criminal.
Há muitas vezes a ideia de que o intérprete é neutro, que apenas procura a norma real que a lei materializa, mas a interpretação é antes uma actividade que se orienta por razões que cada intérprete pensa ter como boas para interpretar a lei. São boas, como referi já, as motivações dos Autores: a defesa dos direitos humanos e em especial dos cidadãos desconhecidos e indefesos. Só o propósito justificaria a obra, mas não lhe bastou o propósito. Estamos perante um trabalho jurídico com valia.
III. Os Autores, que não tive a honra de ter como meus alunos, citam-me com frequência neste seu trabalho e isso honra-me muito. Não pela valia dos meus ensinamentos, mas porque também eu no escolher o Direito Processual Penal como núcleo central das minhas preocupações científicas o fiz por militância na defesa da liberdade e para consolidação da democracia em Portugal. É que não basta que os textos, como é o caso do artigo 2.° da Lei Constitucional de Angola, proclamem a liberdade como fundamento do Estado, é preciso que os cidadãos estejam permanentemente alerta para os perigos que a ameaçam e também continuamente se empenhem na sua defesa com as armas que sabem manejar.
Os doutores Pedro Franco Romão e Fernando Macedo, apesar da sua juventude, sabem manejar a "arma" do Direito. Merecem, por isso, que a sua voz seja escutada e que o seu esforço militante na defesa dos perseguidos e pelo progresso democrático da sua Pátria, consubstanciado agora neste trabalho que dão à estampa, seja apreciado como ponto de partida, modesto ainda como é quase sempre o princípio, e sobretudo de estímulo para outros.
Na sua caminhada pelo Direito e pela Justiça em Angola, o Dr. Pedro Romão e Fernando Macedo contarão sempre comigo.
Loures, 30 de Março de 2008.
Germano Marques da Silva

Anotações à Lei da Prisão Preventiva e Legislação Complementar
de Fernando Macedo e Pedro Romão 
ISBN: 9789724035147 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Edições Almedina Idioma: Português Dimensões: 161 x 231 x 23 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 192 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Direito  >  Direito Penal

Sugestões

Código de Processo Penal - Edição de Bolso
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
15,90€
Edições Almedina
Imputação Objectiva de Negócios de Risco à Acção de Infidelidade
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
10,90€
Edições Almedina
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.