Bertrand.pt - A Literatura entre o Sacerdócio e o Mercado. Balzac e Fialho de Almeida

A Literatura entre o Sacerdócio e o Mercado. Balzac e Fialho de Almeida

Balzac e Fialho de Almeida

de Maria Manuela Carvalho de Almeida 

Editor: Angelus Novus
Edição ou reimpressão: abril de 2008
Portes
Grátis
10%
10,00€
Poupe 1,00€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock - Envio 24H
portes grátis

Este livro parte daquilo que se pode considerar, para retomar um conceito estabelecido por um dos programas de trabalho do comparatismo clássico, um inquestionável «facto comparatista»: a relação existente entre Illusions Perdues de Balzac e A Eminente Actriz de Fialho de Almeida.

A comparação entre Fialho e Balzac, aqui em grande medida feita a contrario, ganha um acrescido interesse e justificação: Balzac representa a crença na literatura e na sua função social (privada e pública) no início do século e em contexto romântico; Fialho, no fim do século e em contexto naturalista, e já decadentista, fala-nos, com ressentimento e amargura, do esvaziamento da grande Crença da geração romântica - a literatura, justamente.

Para o estudo deste processo, recorre-se à análise da substituição da religião pela literatura, levada a cabo por Paul Bénichou em Le sacre de l´écrivain. A sociedade burguesa, secularizada e mercantil, tenderá a depositar no texto literário, ensinado por essa razão nas escolas, não só funções cívicas como religiosas, ou seja, justamente aqueles valores aos quais a livre concorrência capitalista nada tinha a dizer. A literatura desempenha então no espaço público funções constitutivas da própria racionalidade e sociedade burguesas, já que a família burguesa recorre à leitura doméstica como forma de refinamento da sensibilidade e de exercício da capacidade argumentativa.

O jornalismo, que desempenha neste quadro um papel de mediação indispensável, sofre porém a partir de certa data o impacto do capitalismo e da cultura de massa, tornando-se, na obra de Balzac, um lugar de degradação cívica, afastando-se do impulso iluminista de «educação» do público. Assiste-se, em consequência, ao declínio da esfera pública, sendo o lugar da família na formação da razão crítica dos cidadãos substituído por aquilo a que Habermas chamou o «domínio pseudopúblico (ou ilusoriamente privado) do consumo cultural».

Assim, o que as obras de Balzac e Fialho analisadas demonstram, é que se por um lado o ideal burguês de uma esfera pública livre de peias exteriores ao jogo da razão se revelou sempre de difícil aplicação, não é menos verdade que, tanto no francês como no português, esse ideal exerce um poderoso efeito de sedução. Num como noutro autor, o jornalismo, o teatro, o romance, são formas de, ainda e sempre, colocar a questão da esfera pública e do seu desejável funcionamento universal. Que o façam já sem ilusões, eis o que nos vem revelar as dificuldades e os limites da sua realização efectiva.

A Literatura entre o Sacerdócio e o Mercado. Balzac e Fialho de Almeida
Balzac e Fialho de Almeida
de Maria Manuela Carvalho de Almeida 
Ano de edição ou reimpressão: Editor: Angelus Novus Idioma: Português Dimensões: 145 x 210 x 9 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 152 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  História da Literatura

Sugestões

Literatura-Mundo Comparada: Perspectivas em Português II
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
50,00€
Poupe 5,00€
Tinta da China
Obras Mestras da Nosa Literatura Oral
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
8,48€
Editora Húmus
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.