Bertrand.pt - À espera da cheia?

À espera da cheia?

Paradoxos da modificação do ambiente por via da tecnologia (TM 23)

de Delta Sousa e Silva 

Editor: LNEC
Edição ou reimpressão: dezembro de 2006
30,29€
Esgotado ou não disponível.

A presente investigação, concluída em 2002, incide sobre os factores antrópicos subjacentes a fenómenos naturais extremos, como sejam as cheias fluviais. Não raras vezes a sociedade portuguesa naturaliza este tipo de eventos, facto que inibe qualquer identificação sistemática do que de inerente à acção humana pode concorrer para a magnitude destes fenómenos.
Esta investigação alicerça-se num estudo de caso, corporizado numa bacia - a do Mondego - e nas primeiras grandes cheias ocorridas após a sua regularização hidráulica e fluvial - as de Dezembro de 2000-Janeiro de 2001. O pós-desastre destes eventos ficou marcado pelo confronto de leituras várias, sobressaindo a que lhes atribuía causas naturais e interpretava-os como eventos imprevisíveis e excepcionais. O questionamento de tal leitura constituiu o ponto de partida para a pesquisa.
A desconstrução analítica destes eventos assenta num quadro teórico que discute a natureza da relação sociedade-ambiente no quadro da modernidade. Paralelamente confrontam-se as diversas modalidades de controlo e gestão de cheias, postulando que na sua base estão diferentes conceptualizações de risco e todas elas encerram limites e potencialidades. A bacia do Mondego, tal como é hoje, exemplifica um tipo de modalidade de intervenção nos rios. Denominada de estrutural, esta modalidade assenta no primado da engenharia aplicada à concepção de infra-estruturas hidráulicas para efeitos de controlo de cheias e aproveitamento multifacetado dos recursos hídricos. Um dos limites deste tipo de modalidade consiste na situação paradoxal que pode suscitar. Esta corporiza-se na redução efectiva da probabilidade de ocorrência de uma cheia, acompanhada do aumento da vulnerabilidade em relação risco residual devido à falsa sensação de segurança que suscita junto de quem habita e gere o território.
Este estudo procura perceber até que ponto é que o Mondego vivia, à época das cheias, mergulhado neste paradoxo. Paralelamente, procura-se compreender se as cheias de Dezembro 2000-Janeiro 2001 funcionaram enquanto janela de oportunidade na direcção de uma mais eficaz internalização do risco de cheia no quadro da gestão do território e do sistema hidráulico do Mondego.

Descritores: Cheia / Rio Mondego / Bacia hidrográfica / Controlo de cheias / Previsão de cheias / Impacte ambiental / Impacte social / Risco acidental / Tese / PT

À espera da cheia?
Paradoxos da modificação do ambiente por via da tecnologia (TM 23)
ISBN: 9789724920917 Ano de edição ou reimpressão: Editor: LNEC Idioma: Português Dimensões: 205 x 290 x 10 mm Páginas: 194 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Engenharia  >  Engenharia Hidráulica

Sugestões

Dragagens
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
10,00€
Universidade de Aveiro
Hidráulica Geral
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
43,46€
Edição do Autor
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.