Bertrand.pt - À Conversa Com

À Conversa Com

de Isabel do Valle 

Editor: Pé de Página Editores
Edição ou reimpressão: março de 2007
Portes
Grátis
10%
20,19€
Poupe 2,02€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Envio até 30 dias
portes grátis

Por detrás da imagem de figura pública, inerente ao mundo artístico, estão pessoas e percursos de vida. O presente conjunto de entrevistas — cuja selecção deriva, sobretudo, dos conhecimentos pessoais da autora e da disponibilidade daqueles que aderiram ao seu projecto — é uma primeira concretização da tarefa com que Isabel do Valle se propôs valorizar o mundo artístico, dando-nos a conhecer, numa abordagem intimista e personalizada, alguns dos seus intervenientes.

Nestas entrevistas procura-se abeirar o lado pessoal de cada um dos interlocutores, tendo sempre como pano de fundo um olhar sobre a vida, os valores, as convicções, as aprendizagens e as opções que fazem parte do caminho vivencial de cada um. Não é assim de estranhar que, neste primeiro volume de entrevistas, o discurso dos entrevistados extravase o plano do trabalho profissional e incida sobre questões que a todos igualam no plano humano, porque a todos se impõem no confronto com a vida.

Ao valorizarem a dimensão humana, mais do que a imagem mediática de cada entrevistado, as conversas reunidas neste livro lançam um outro olhar sobre aqueles que estamos habituados a conhecer através dos meios de comunicação de massas. Um olhar que, revelando-nos afectos, percursos de vida, hábitos e opções, nos traz uma dimensão pessoal que geralmente não nos é acessível, contribuindo, simultaneamente, para que nos sintamos mais próximos daqueles que de algum modo deixam a marca da sua referência na nossa memória colectiva.

TEXTO DE APRESENTAÇÃO (LISBOA, 26/2/2007)
Um dia, não se sabe exactamente em qual, mas corria o ano de 2006, uma artista alfacinha agora residente no Algarve, resolveu partir em busca dos seus pares e afins, levando na bagagem, para além de uma simpatia congénita e ouvidos de escuta apurada, uma mão cheia de perguntas. Confessou-me que não sabe bem como tudo aconteceu.
Que um dia, não sabe bem por força de que energias, partiu e foi falar com pessoas.
Levava o coração cheio de vontade de dar — apesar das perguntas que iam na algibeira — e o sonho, ainda enevoado, de poder de alguma forma ser um elo de aproximação e reunião de pessoas que de certo modo vê como família.
Dados os primeiros passos, que é como quem diz, gravadas as primeiras entrevistas o sonhado projecto começou a ganhar corpo.
Foi-se então dedicando aos penoso trabalho de transliterar as entrevistas do suporte áudio em que foram registadas, procurando tornar escorreita a forma escrita em que seriam apresentadas.
E persistiu no sonho, que é como quem diz, continuou as entrevistas, muito ao sabor das possibilidades que conseguia concretizar, muito na contingência da multiplicação dos contactos que se iam avolumando e sempre acarinhando cada entrevistado que juntava a uma lista que já se tornava extensa.
Foi no dia 28 de Junho de 2006 que conheci pessoalmente a Isabel. Tínhamos falado pelo telefone, mas ela insistiu em marcar uma reunião com o editor e em vir apresentar pessoalmente o seu projecto.
Disse-lhe, mais tarde, a propósito dessa momento, que me tinha entrado um «furacão pela porta». E a analogia é exacta.
Incansável na forma de lutar pelo seu projecto, com um coração do tamanho do mundo e com a determinação das grandes mulheres, pusemos mão ao trabalho, seleccionando, corrigindo, idealizando a capa e o formato, enfim, cuidando ao pormenor de tudo.
O sonhado projecto tornara-se agora uma gravidez que gestava com o tempo. Não foram precisos os nove meses, apenas oito. E o «rebento» — como a partir de então lhe chamámos — não nasceu prematuro. Teve o tempo necessário para amadurecer o sorriso com que se quis tornar público. E, eis-nos aqui, pela mão da Isabel do Valle com um projecto que do sonho passou à realidade.
Mas, contada em termos breves a história que originou este livro, vejamos agora o próprio livro nas caraterísticas que mais o identificam.
Ele agrega um conjunto de 45 entrevistas que a Isabel do realizou durante o ano de 2006 a diversas figuras públicas, na sua maioria artistas, e representa o primeiro passo de um projecto que eu sei que a autora gostaria de ver continuado em outros volumes de entrevistas e com outros entrevistados.

Em linhas gerais as entrevistas tem o propósito de nos dar a conhecer um outro lado dos entrevistados.
Todos são personalidades públicas que se destacaram no mundo das artes da comunicação social, da cultura e que, de um ou de outro modo, entraram na constelação das referências da nossa memória colectiva.
São conhecidos do grande público pela sua actividade profissional, pelo seu empenhamento para com a cultura e pela notoriedade dos percursos que foram desenvolvendo.
No entanto, não é a dimensão de notoriedade pública aquela que a Isabel explora nestas entrevistas. Pelo contrário, ela prefere aguardar nos bastidores e conversar com os seus interlocutores num plano em que estes se mostram como pessoas entre pessoas, com percursos individuais concretos, com vivências, com valores, com lutas, com balanços positivos e negativos, com desabafos, etc. — ou seja, num plano em que revelam a sua humanidade.
Parece-me, com efeito, que uma das características destas entrevistas é a abordagem extremamente humana que a Isabel imprime às suas conversas e o modo como, através das suas perguntas, acaba por desocultar um lado mais pessoal da vivências dos entrevistados no aquém da sua actividade profissional.

Não é assim de estranhar que encontremos uma moldura filosófica no seu modo de perguntar e que faz do horizonte amplo do sentido da vida o quadro de referência mais importante para a escuta dos seus entrevistados.
Parece-me que é precisamente isso que passa na maior parte das questões que recorrentemente são colocadas nestas entrevistas. Deixem-me dar-vos algumas pistas.

A questão da vocação.
Assumindo que no universo dos entrevistados a questão da vocação é decisiva — e de facto, parece ser um dado mais ou menos pacífico que só pela força de uma vocação e de uma sensibilidade específica se persiste em ser artista e culturalmente interventivo e dedicado — fala-se nestas entrevistas no modo como se descobrem as vocações, nos caminhos mais escorreitos ou mais tortuosos da sua afirmação, das dúvidas, dos riscos e das decisões que em torno da força de uma vocação se podem gerar. A questão da vocação liga-se a duas outras, que são a do talento e da inspiração. Será que o talento é inato, será que é fruto de conquista pelo trabalho, será que está ligado a predisposições naturais aprofundadas pelo trabalho? E a inspiração, de que resulta ela? Poderá a inspiração ser preparada? Poderá a espontaneidade ser potenciada? E quando falta a inspiração mas se tem de apresentar trabalho? O que nos conduz a uma outra questão.

A questão da ligação à profissão.
De que modo se encara a profissão quando se é artista, figura pública ou agente de cultura? Terá de haver um fundo de intensa paixão? Como é que se persiste num caminho em que as certezas quanto ao trabalho e ao seu retorno são a maior parte das vezes precárias? O que faz com que se continue num rumo profissional que não oferece garantias, que exige constantemente aprimoramento técnico e criativo e em que cada trabalho é um projecto e um desafio? O que leva a optar por essa forma de vida, que insistência a norteia, que devoção? E, nos momentos de balanço, que força faz persistir, mesmo na ausência de reconhecimento e de compensações económicas? Como é que cada um se relaciona com a forma de vida que ser artista é? O que nos conduz a uma outra questão.

A condição do artista profissional em Portugal.
Numa sociedade em que o economicismo leva a quantificar todos os valores, que condições de vida têm aqueles que promovem valores espirituais, que educam para a cultura e para a sensibilidade, que procuram reconduzir o olhar para formas que potenciam o crescimento humano e que estimulam o seu apuramento? Num mundo em que a educação tende cada vez mais a reduzir-se a um adestramento para a produção e numa sociedade em que a viabilidade económica se tornou estação primeira na ponderação de qualquer projecto, como são acolhidos e tratados os artistas? Sentem-se apoiados ou vêem-se numa eterna cruzada quixotesca? A sua profissão é socialmente acolhida e valorizada, ou têm de rumar sempre em contramaré, numa luta a retomar em cada dia, num esforço apenas alimentado pelo sonho? No caso específico de Portugal, como é que neste país se sentem tratados os artistas, que condições e oportunidades lhes são, ou não, proporcionadas, que expectativas nutrem? A esta questão liga-se uma outra recorrentemente referida nestas entrevistas, e que é a do significado do aplauso. Regra geral, podemos verificar que para os profissionais das artes, o aplauso é o nutriente por excelência da sua actividade profissional, a manifestação de apreço que faz sentir que, apesar de tudo, vale a pena continuar a fazer do trabalho um meio de oferecer e de levar algo aos outros. Mas, se o aplauso tem um significado enorme e reforça o espírito dos profissionais, o facto é que ele nem sempre significa um reforço na mesa familiar em que se partilham as refeições ou uma disponibilidade acrescida de apoio material aos que amamos… Como é ser, e como vivem, os artistas em Portugal? O que nos leva a duas novas questões.

O que move estas pessoas, como encaram a vida?
Trata-se de uma pergunta de fôlego amplo que abre para as mais diferentes respostas e colocações. A tal dimensão filosófica que atrás referi emerge explicitamente aqui. Que sentido tem a vida? Que sentido e orientação trabalha nos gestos quotidianos que se aglutinam nas semanas, nos meses, nos anos? O que polariza o movimento e a persistências dos percursos que cada um desenvolve? Que referencialidade última enquadra um percurso de vida? O que nos leva a outra questão.

E nos momentos difíceis da vida, a que é que nos agarramos? A que valores? A que objectivos? A que convicções? A que força? Uma vez mais a pergunta incide naquele nível que a todos torna iguais, mas permite desocultar a especificidade das incidências de cada entrevistado.

No mesmo sentido, vão as perguntas sobre o modo de lidar com a solidão, com o envelhecimento ou com a morte.

Em jeito de balanço, quero dizer-vos que na maneira como coloca as perguntas e orienta as entrevistas, a Isabel revela uma grandeza humana assinalável, grandeza que ressoa nas respostas dos entrevistados. Não é pois o lado da ostentação e da vaidade que a Isabel alimenta. Pelo contrário é sempre com os olhos postos numa humildade que, ao mesmo tempo que todos torna iguais, permite simultaneamente abeirar a singularidade de cada um. E isso significa uma imensa capacidade de amar e de acarinhar. E este livro é também um profundo acto de carinho, nutrido do júbilo e do orgulho de valorizar as pessoas que nele são entrevistadas.
Finalmente, o livro representa um importante testemunho, algo que lega uma compreensão mais humana e íntima de muitos daqueles a quem só conhecemos o lado público e para quem a mediatização da imagem acaba muitas vezes por interditar o olhar outro que repara que o mais valioso é, afinal de contas, ser-se pessoa entre pessoas, pessoa para pessoas, ou, em suma, caminho partilhado no cuidado dos afectos, dos valores e dos crescimentos. Esse é o espírito destas entrevistas, essa a hospitalidade genuína da Isabel do Valle.

Rui Grácio

À Conversa Com
de Isabel do Valle 
ISBN: 9789896140595 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Pé de Página Editores Idioma: Português Dimensões: 145 x 205 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 320 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  Outras Formas Literárias

Sugestões

Viagens
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
15,50€
Assírio & Alvim
Um Sentido para a Vida
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
16,60€
Livros do Brasil
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.