Poesia Espanhola Anos 90 - Joaquim Manuel Magalhães
Edição/reimpressão:
2000
Páginas:
350
Editor:
Relógio D'Água
ISBN:
9789727086009
Idioma:
Português
10%
€15,11
Ganhe €1,51
Em stock - Envio imediato
 

Sinopse

Joaquim Manuel Magalhães tem vindo, de há alguns anos para cá, a prestar uma especial atenção à poesia espanhola contemporânea, e publicou na editora Relógio d'Água os livros "Poesia Espanhola de Agora"(1997), "Trípticos Espanhóis, 1º" (1998) e "Trípticos Espanhóis, 2º" (2000). Esta divulgação entre nós da poesia espanhola mais recente, tem-na o poeta feito também ultimamente, de forma regular, no semanário "O Independente", onde colabora, alternando semanalmente as suas traduções com a sua própria poesia.

Chega agora "Poesia Espanhola, Anos 90", uma antologia que JMM organizou e traduziu, dos poetas espanhóis que iniciaram a publicação em livro nos anos 90, sendo esta baliza da década, diz JMM, apenas uma questão temporal de organização, e não "um valor estético em si". Até porque a poesia destes 30 poetas que Magalhães nos dá a conhecer (com 3 poemas e uma breve nota crítica para cada um deles) é bastante heterogénea, quer na sua génese, quer no seu discurso ("esta escolha foi feita tendo em conta a qualidade das diferenças que pensei pressentir"). Ou, como sintetiza José Angel Cilleruello, no final do posfácio a este volume, sobre as várias sensibilidades, ou "experiências poéticas", dos poetas seleccionados:

"Tão autêntica é a experiência poética (sublinhar este adjectivo é imprescindível para não confundir posturas vitais, mais ou menos atraentes, com a projecção artística das mesmas) cósmica, mística, visionária ou metafísica de Eduardo Moga, Diego Doncel, Antonio Lucas e Jordi Doce, como a percepção da quotidianidade nas suas contradições ou com intenções claramente políticas de Jesús Urceloy, Antonio Orihuela e Enrique Falcón. Ou como a de encarar este mundo quotidiano do lado de dentro, procurando nos seus matizes solitários, na sua ternura, na sua ironia profunda, no seu simbolismo implícito ou na sua melancolia, tal como o fazem José Mateos, Abel Feu, Enrique García-Máiquez, Eduardo García e Marcos Tramón. Tão verdadeira como a de confrontar-se nos versos com a realiddae entediante e cinzenta, a degradação da paisagem, o desespero carcerário, a marginalidade das drogas de Juan Miguel López, Alfonso Barrocal, David González e Violeta C. Rangel. Ou a de abordar o amor a partir das suas razões morais, do seu arrebatamento de raiz clássica, das suas pequenas contradições de Luiz Muñoz, Juan Antonio González Iglésias e Silvia Ugidos. Ou a de falar da história com a única arma da ficção de José Luiz Rey. E noutra ordem de leitura, tão autêntico é o tom dilacerado de José Luiz Piquero e Jesús Llorente como o equilíbrio emocional de Carlos Martínez Aguirre e de Toni Montesinos Gilbert; igualmente autêntico é o jogo verbal de M.ª Eloy-García, o gosto pela ironia de Paulino Lorenzo, o exercício de depuração de Marcos Canteli, Ana Merino e Antonio Martiín, o domínio extraordinário da elipse de Pablo García Casado... Com estes 30 poetas autênticos poderiam reunir-se quase 30 antologias de tendência."
Poesia Espanhola Anos 90 de Joaquim Manuel Magalhães

comentários

Coloque aqui o seu comentário - Poesia Espanhola Anos 90
Nome:
Título do comentário
Comentário
 
 
 
 
 
* campos de preenchimento obrigatório
 

Características

Poesia Espanhola Anos 90 de Joaquim Manuel Magalhães

Ano de edição ou reimpressão: 2000

Editor: Relógio D'Água

Idioma: Português

Dimensões: 139 x 210 x 22 mm

Encadernação: Capa mole

Páginas: 350


Tipo de Produto: Livro

Classificação Temática:

Livros em Português
Literatura > Poesia


Poesia Espanhola Anos 90
 

Do mesmo autor

Joaquim Manuel Magalhães 
Joaquim Manuel Magalhães 
Joaquim Manuel Magalhães 

Veja outros titulos do tema

José de Almada Negreiros 
Eugénio de Andrade 
Gastão Cruz 
Preços, descontos e ofertas válidos apenas online
|   Condições gerais de venda   |   Compras 100% seguras   |   Política de Privacidade   |   Ajuda    |   Recrutamento   |
©2013 Grupo Bertrand Círculo. Todos os direitos reservados, Lisboa, Portugal