O Crescer das Árvores - Nuno Higino
Edição/reimpressão:
2003
Páginas:
34
Editor:
Campo das Letras
ISBN:
9789726107408
Idioma:
Português
10%
€10,04
Ganhe €1
Esgotado ou não disponível
 

Sinopse

Excerto
" - Não achas que o mundo seria melhor se não houvesse homens?
- Não, Rashid, porque se não houvesse homens não havia mundo. Só havia coisas sem nome.
- Não havia mal...
- Nem bem, Rashid. Só havia coisas sem nome.
- E para que precisamos do nome das coisas?
- Para chamá-las, Rashid.
E começaram a correr entre as crateras e a brincar como se fosse a primeira vez que brincavam.
Construíram pontes, baloiços e espantalhos. Jogaram às pedrinhas. Tomaram banho nas crateras onde havia uma água tão límpida que não parecia água, parecia luz. Conversaram, inventaram histórias, desenharam árvores. Ouviram o uivar dos lobos. Seguiram as sombras que caminhavam sozinhas. Tocaram música num alaúde. Inventaram brinquedos novos e palavras novas para os chamar. Subiram pelos braços da lua e tocaram a sua face bela. Trocaram de sítio uma bandeira que encontraram e cujas estrelas se tinham apagado. Colheram narcisos e outras flores com a foice de prata que há na lua."

" - Não achas que o mundo seria melhor se não houvesse homens?
- Não, Rashid, porque se não houvesse homens não havia mundo. Só havia coisas sem nome.
- Não havia mal...
- Nem bem, Rashid. Só havia coisas sem nome.
- E para que precisamos do nome das coisas?
- Para chamá-las, Rashid.
E começaram a correr entre as crateras e a brincar como se fosse a primeira vez que brincavam.
Construíram pontes, baloiços e espantalhos. Jogaram às pedrinhas. Tomaram banho nas crateras onde havia uma água tão límpida que não parecia água, parecia luz. Conversaram, inventaram histórias, desenharam árvores. Ouviram o uivar dos lobos. Seguiram as sombras que caminhavam sozinhas. Tocaram música num alaúde. Inventaram brinquedos novos e palavras novas para os chamar. Subiram pelos braços da lua e tocaram a sua face bela. Trocaram de sítio uma bandeira que encontraram e cujas estrelas se tinham apagado. Colheram narcisos e outras flores com a foice de prata que há na lua."

comentários

Coloque aqui o seu comentário - O Crescer das Árvores
Nome:
Título do comentário
Comentário
 
 
 
 
 
* campos de preenchimento obrigatório
 

Autor


Nuno Higino (Felgueiras, 1960) edita agora o seu sétimo livro de poesia. Depois de ter editado no Campo das Letras os dois primeiros títulos No silêncio da Terra (2000) e Onde correm as águas (2004), editou na Letras e Coisas Talvez Deus se tenha enganado (2004), O animal eólico do corpo (2007), Rios Sedentos (2015) e uma coletânea de poemas sobre a mãe (Mãe. E leva os filhos nos olhos como se os levasse pela mão, 2011 – com desenhos de Alberto Péssimo). Está representado na antologia Anos 90 e Agora (Quasi, 2001). A Editora Amargord, de Madrid, editou em 2014 uma versão bilingue (castelhano-português) de O animal eólico do corpo.
Para além da poesia o autor tem trabalhos publicados na área do ensaio e, sobretudo, na área do infantojuvenil com mais de 20 (...)

Bibliografia

2017
Letras e Coisas
2015
Letras e Coisas
2015
Letras & Coisas
2015
Letras e Coisas
2013
Letras e Coisas

Características

O Crescer das Árvores de Nuno Higino

Ano de edição ou reimpressão: 2003

Editor: Campo das Letras

Idioma: Português

Dimensões: 230 x 230 mm

Encadernação: Capa dura

Páginas: 34


Tipo de Produto: Livro

Classificação Temática:

Livros em Português
Infantis e Juvenis > Literatura Juvenil


O Crescer das Árvores
 

Do mesmo autor

Poesia para a Infância
Nuno Higino 
Alberto Péssimo 
Nuno Higino 

Veja outros titulos do tema

Robert Muchamore 
Maria Alberta Menéres 
Manuel António Pina 
Preços, descontos e ofertas válidos apenas online
|   Condições gerais de venda   |   Compras 100% seguras   |   Política de Privacidade   |   Ajuda    |   Recrutamento   |
©2013 Grupo Bertrand Círculo. Todos os direitos reservados, Lisboa, Portugal