Ilda David'
Edição/reimpressão:
1999
Páginas:
192
Editor:
Assírio & Alvim
ISBN:
978-972-37-0562-1
Idioma:
Português
10%
€34,00
Ganhe €3,4
Em stock - Envio imediato
 

Sinopse

Um álbum que reúne 10 anos, os últimos 10, da pintura de Ilda David'.
A sua obra, aparecida nos anos 80, rapidamente se afirmou. Um universo poético, onírico, intenso. Não por acaso. As suas pinturas partem da poesia.
«Parto sempre de coisas escritas. (...) Uma vez comecei a pintar um gato e depois de repente era o gato da Alice (no País das Maravilhas) e isso deu origem a uma série de gatos com sorriso, e sorrisos só. Se não fossem os livros, não era tão aliciante para mim. O que me interessava era aproximar-me daquele gato que estava descrito daquela maneira. Não existem imagens sem livros.» (de uma entrevista a Alexandra Lucas Coelho, Público, 12/2/00)
Talvez por isso a sua pintura tenha seduzido muitos poetas, que a partir dela escreveram poemas de cumplicidade evidente. Ou mesmo livros. Al Berto, Manuel António Pina, Joaquim Manuel Magalhães, José Tolentino Mendonça.
Continuando com os livros, para além das gravuras que durante anos acompanharam edições de obras de São João da Cruz, Whitman, Eliot, entre muitos outros, Ilda David' fez ainda uma série de pinturas para duas edições de "Cartas Portuguesas", de Mariana Alcoforado, com tradução de Eugénio de Andrade, para o "Cântico dos Cânticos" traduzido por José Tolentino Mendonça e para a nova tradução do "Fausto", de Goethe, por João Barrento. Os originais destas últimas podem ser vistos na sua exposição Incubus, na Galeria Jorge Vieira, no Parque nas Nações.
O álbum tem textos de Al Berto, Gil de Carvalho, Manuel António Pina e José Tolentino Mendonça, e um posfácio de João Lima Pinharanda.
Ilda David'
Excerto
« Ovo, Casal, Nuvem, Mar, Peixe, Mapa, Cabeça / Cabeças, Caveira, Sino / Campânula, Homem Silvestre, Espectro, Casa, Livro, Tenda, Árvore, Caixa, Cálice, Coração, Árvore-Folha, Torre /Castelo, Ramo de Oliveira, Escada, Lebre / Lura, Espinhos / Coroa, Veado, Tempestades / Ventos, Vórtice, Vulcão, Cão Pegadas, ... já existem como formas flutuantes e recorrentes (ondas que se desfazem na praia, sempre iguais e sempre diversas) no espírito de toda a humanidade; já existem como repetições inevitáveis de ideias / palavras / formas que nos acompanham desde os vários princípios do mundo. Mas de cada vez que, pela mão de Ilda David', se repetem geram-se de novo. Chegam-nos desde as primeiras figuras e das primeiras letras: do tempo das primeiras viagens nocturnas e das primeiras palavras para o espanto e para o medo, do tempo da caça e da recolha de raízes, do tempo dos primeiros cultivos, dos primeiros rebanhos, ... Partem para o fim do mundo.
« Como qualquer objecto espera um nome para si, cada uma destas pinturas espera uma narração para se fazer entender. Não que se encostem a ficções possíveis para viverem um destino de ilustração feliz. Elas são como os dedos que passam perto do lume: tão perto de se queimarem e não se queimam. Assim, as formas de Ilda David' geram as suas próprias palavras e as palavras pedem as formas de água, de animal, de árvore, de humanos silvestres ou de casas que vão surgindo e desaparecendo dos fundos.»

do posfácio de João Lima Pinharanda

« Ovo, Casal, Nuvem, Mar, Peixe, Mapa, Cabeça / Cabeças, Caveira, Sino / Campânula, Homem Silvestre, Espectro, Casa, Livro, Tenda, Árvore, Caixa, Cálice, Coração, Árvore-Folha, Torre /Castelo, Ramo de Oliveira, Escada, Lebre / Lura, Espinhos / Coroa, Veado, Tempestades / Ventos, Vórtice, Vulcão, Cão Pegadas, ... já existem como formas flutuantes e recorrentes (ondas que se desfazem na praia, sempre iguais e sempre diversas) no espírito de toda a humanidade; já existem como repetições inevitáveis de ideias / palavras / formas que nos acompanham desde os vários princípios do mundo. Mas de cada vez que, pela mão de Ilda David', se repetem geram-se de novo. Chegam-nos desde as primeiras figuras e das primeiras letras: do tempo das primeiras viagens nocturnas e das primeiras palavras para o espanto e para o medo, do tempo da caça e da recolha de raízes, do tempo dos primeiros cultivos, dos primeiros rebanhos, ... Partem para o fim do mundo.
« Como qualquer objecto espera um nome para si, cada uma destas pinturas espera uma narração para se fazer entender. Não que se encostem a ficções possíveis para viverem um destino de ilustração feliz. Elas são como os dedos que passam perto do lume: tão perto de se queimarem e não se queimam. Assim, as formas de Ilda David' geram as suas próprias palavras e as palavras pedem as formas de água, de animal, de árvore, de humanos silvestres ou de casas que vão surgindo e desaparecendo dos fundos.»

do posfácio de João Lima Pinharanda

comentários

Coloque aqui o seu comentário - Ilda David'
Nome:
Título do comentário
Comentário
 
 
 
 
 
* campos de preenchimento obrigatório
 

Características

Ilda David'

Ano de edição ou reimpressão: 1999

Editor: Assírio & Alvim

Idioma: Português

Dimensões: 241 x 281 x 23 mm

Encadernação: Capa mole

Páginas: 192


Tipo de Produto: Livro

Classificação Temática:

Livros em Português
Arte > Pintura


Ilda David'
 

Do mesmo autor

Veja outros titulos do tema

Sébastien Perez 
Livro de Colorir
Helen Exley 
Millie Marotta 
Preços, descontos e ofertas válidos apenas online
|   Condições gerais de venda   |   Compras 100% seguras   |   Política de Privacidade   |   Ajuda    |   Recrutamento   |
©2013 Grupo Bertrand Círculo. Todos os direitos reservados, Lisboa, Portugal