Ensaios Facetos - Abel Barros Baptista
Edição/reimpressão:
2004
Páginas:
148
Editor:
Cotovia
ISBN:
9789727950935
Idioma:
Português
10%
€3,00
Ganhe €0,3
Esgotado ou não disponível
 

Sinopse

Abel Barros Baptista é professor da Universidade Nova de Lisboa. Publicou diversos ensaios literários (entre os mais recentes, "Autobibliografias", que recebeu o Grande Prémio de Ensaio Literário da APE, "A Infelicidade pela Bibliografia", e "Coligação de Avulsos"). É director-adjunto da revista Colóquio/Letras e colaborador da revista Ler. Publicou ainda, com Luísa Costa Gomes, o romance epistolar "O Defunto Elegante" e, com Gustavo Rubim, o romance "Importa-se de me emprestar o barroco?".
Acaba de sair um novo livro seu: "Ensaios Facetos". Irónicos, gozadores, bem humorados, profundos. Uma lufada de ar fresco no meio de um cinzentismo crítico, apesar de já por aí aparecerem alguns oásis.

"Em sentido muito lato, chama-se faceto ao que não é sério: um ensaio pode ser faceto sem nada perder de essencial? Sendo análise, averiguação, exame, indagação, procura, o ensaio ganha se além disso for brincalhão ou galhofeiro, gozador ou jocoso, pilhérico ou zombeteiro?
Os textos que compõem este livro acreditam no ensaio genuinamente faceto e, em modalidades diversas, ilustram a possibilidade de o estruturar segundo um princípio de galhofa. A defesa do sentido de humor é hoje uma trivialidade. Mas hoje também, uma batalha provavelmente perdida: a "opinião", que se basta em ser plausível, prefere o sisudo e aliás confunde-o com profundidade. O humor então prejudica, porque divide, corrói evidências, sugere alternativas, abala familiaridades. Daí que o ensaio, algumas vezes, só se torne ensaio por meio de facécia."
Abel Barros Baptista
Ensaios Facetos de Abel Barros Baptista
Críticas de imprensa
"Qual é o ensaísta português que cita Roman Jakobson e Homer Simpson? Que escreve "carago" e "adrede"? Que eu saiba, só um: Abel Barros Baptista. Na esteira de A Infelicidade pela Bibliografia (2001), Ensaios Facetos reúne um punhado de exercícios de humor e erudição para pessimistas lúdicos. Estes textos, mais crónica que ensaio, foram publicados na revista LER e na extinta Ciberkiosk, sendo outros inéditos.
[...]Abel Barros Baptista observa a literatura "de fora", porém vendo "de dentro". De facto, o que os ensaios facetos analisam não são textos literários mas instituições e rituais do reino da literatice. Lançamentos, maledicências, cânones, inquéritos, congressos, curricula, e sobretudo a crítica literária, criatura arcaica que Abel gosta de atazanar. De certo modo, ABB faz nestes textos o que David Lodge usa nos seus romances: gozar com o pagode, sobretudo se o pagode for literário e portanto razoavelmente bisonho. Com efeito, convém dizer que nesse discurso ficamos por vezes longe do domínio reconhecível do ensaio ou da crónica, e temos em vez disso monólogos teóricos deliciosos.
[...] temos abundantes ocasiões para a galhofa nestes ensaios, seja porque o tema tratado é de si patusco, seja porque o ensaísta leva todos os temas às raias do absurdo. Há um estilo Monty Python em ABB: cada exemplo é esmiuçado de forma por vezes assumidamente rebuscada e levada ao exagero, produzindo um efeito muito mais forte do que um ensaio "vulgar" (isto é: sem facécias). O "humor" tem algo de banal, mas aqui desdobra-se em truques retóricos, como repetições e parêntesis, mas sobretudo num tom geral de divertimento culto, com teses sobre o "ensaio infantil", o "cânone da cama" ou o funcionalismo público como paraíso dos escritores. Só lendo."
Pedro Mexia, Diário de Notícias

comentários

Coloque aqui o seu comentário - Ensaios Facetos
Nome:
Título do comentário
Comentário
 
 
 
 
 
* campos de preenchimento obrigatório
 

Autor


Professor da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, onde ensina sobretudo Literatura Brasileira. É autor de vários livros. Com Luísa Costa Gomes, escreveu O Defunto Elegante, romance epistolar, publicado em 1996, e com Gustavo Rubim Importa-se de me emprestar o Barroco?, saído em 2003, ficção/ensaio literário. Mas escreveu sobretudo ensaios no campo específico da literatura portuguesa e brasileira. Destacam-se, em particular, os seus trabalhos sobre Camilo Castelo Branco, e os estudos sobre Machado de Assis, designadamente dois livros: Em Nome do Apelo do Nome. Duas Interrogações sobre Machado de Assis (Lisboa, 1991, Prémio de Ensaio do Pen Club de Portugal; São Paulo, 2003) e, mais recentemente, Autobibliografias. Solicitação do Livro na Ficção de Machado de Assis (Lisboa, 1998, Grande Prémio de Ensaio da APE; São (...)

Características

Ensaios Facetos de Abel Barros Baptista

Ano de edição ou reimpressão: 2004

Editor: Cotovia

Idioma: Português

Dimensões: 128 x 203 x 26 mm

Encadernação: Capa mole

Páginas: 148


Tipo de Produto: Livro

Classificação Temática:

Livros em Português
Literatura > Ensaios


Ensaios Facetos
 
[...]Abel Barros Baptista observa a literatura "de fora", porém vendo "de dentro". De facto, o que os ensaios facetos analisam não são textos literários mas instituições e rituais do reino da literatice. Lançamentos, maledicências, cânones, inquéritos, congressos, curricula, e sobretudo a crítica literária, criatura arcaica que Abel gosta de atazanar. De certo modo, ABB faz nestes textos o que David Lodge usa nos seus romances: gozar com o pagode, sobretudo se o pagode for literário e portanto razoavelmente bisonho. Com efeito, convém dizer que nesse discurso ficamos por vezes longe do domínio reconhecível do ensaio ou da crónica, e temos em vez disso monólogos teóricos deliciosos.
[...] temos abundantes ocasiões para a galhofa nestes ensaios, seja porque o tema tratado é de si patusco, seja porque o ensaísta leva todos os temas às raias do absurdo. Há um estilo Monty Python em ABB: cada exemplo é esmiuçado de forma por vezes assumidamente rebuscada e levada ao exagero, produzindo um efeito muito mais forte do que um ensaio "vulgar" (isto é: sem facécias). O "humor" tem algo de banal, mas aqui desdobra-se em truques retóricos, como repetições e parêntesis, mas sobretudo num tom geral de divertimento culto, com teses sobre o "ensaio infantil", o "cânone da cama" ou o funcionalismo público como paraíso dos escritores. Só lendo."
Pedro Mexia, Diário de Notícias Abel Barros Baptista é professor da Universidade Nova de Lisboa. Publicou diversos ensaios literários (entre os mais recentes, "Autobibliografias", ..." />

Do mesmo autor

Abel Barros Baptista 
Abel Barros Baptista 
Uma revisão
Abel Barros Baptista 

Veja outros titulos do tema

(4.ª Edição)
Yuval Noah Harari 
Para um debate de Cidadãos
Miguel Oliveira da Silva 
Confissões de Uma Mulher Árabe em Fúria
Joumana Haddad 
Preços, descontos e ofertas válidos apenas online
|   Condições gerais de venda   |   Compras 100% seguras   |   Política de Privacidade   |   Ajuda    |   Recrutamento   |
©2013 Grupo Bertrand Círculo. Todos os direitos reservados, Lisboa, Portugal