A Solidão dos Moribundos - Norbert Elias
Edição/reimpressão:
2001
Páginas:
107
Editor:
Jorge Zahar
ISBN:
9788571106161
Idioma:
Português do Brasil, Português
10%
€11,13
Ganhe €1,11
Sujeito a confirmação no Editor
 

Sinopse

A morte é um tabu enraizado nas sociedades ocidentais avançadas, e lidar com ela — e com os moribundos — representa dificuldades extremas para muitas pessoas. Este contundente ensaio de Elias analisa a morte e o ato de morrer e, mais importante, a reação dos vivos diante dessa realidade. Evitando o jargão filosófico, o autor aponta a grande contradição de nossa época: a morte tornou-se mais asséptica, mas a solidão dos moribundos aumentou. Os vivos não conseguem demonstrar-lhes afeto justamente quando este se faz mais necessário. Ao buscar entender o sentido da morte — e o sentimento que ela provoca —, Norbert Elias enriquece a discussão dos processos civilizadores e das bases de nossa sociedade.
Este livro traz ainda a conferência "Envelhecer e Morrer", que aprofunda e enfatiza a constatação essencial de Elias de que "a morte é um problema dos vivos".

A Solidão dos Moribundos de Norbert Elias
Críticas de imprensa

"Atento aos processos psicológicos que conformam a ambivalência de sentimentos diante da morte (culpa, raiva, dor e medo, misturados e muitas vezes recalcados) e sem perder de vista a sua conexão com outros domínios da experiência social, Elias dá um baile sociológico em A Solidão dos Moribundos. (...) O livro é daqueles que se lêem com o coração na boca, não só pelo assunto, mas sobretudo pela maneira de o autor conduzi-lo."
Heloisa Pontes, Jornal de Resenhas, 10/11/2001

"A grandeza da obra de Elias e sua originalidade residem em grande parte no método que ele adota para estudar determinado tema ou momento histórico. Em suas análises, sempre interdisciplinares, não há aspecto algum que prevaleça em relação aos demais. A sociedade é sempre um todo relacional, um entrelaçamento de indivíduos, e para estudá-la é necessário analisar todas as suas expressões (políticas, econômicas, sociais, estéticas, psíquicas)."
Cláudia Perrone Moisés, Jornal da Tarde, 27/10/2001

"Quem sabe Elias ajude a entender como os homens são profundamente iguais, mas também absolutamente diferentes e amarrados às suas próprias épocas."
Lilia Moritz Schwarcz, Folha de S.Paulo, 02/09/2001

"(...) Elias optou por um ensaio, à maneira de Montaigne; um trabalho erudito, ao qual não falta, contudo, a emoção, e que se completa, no mesmo volume, com a conferência "Envelhecer e Morrer". (...) Elias não pode nos oferecer um milagre — e se pudesse, não o faria através de um livro, este simples, modesto objeto. Mas ele pode nos ensinar a "falar mais clara e abertamente" sobre um tema que é difícil, senão impossível, de enfrentar. E, ao fazê-lo, ajuda-nos enormemente."
Moacyr Scliar, Jornal do Brasil, 01/09/2001

comentários

Coloque aqui o seu comentário - A Solidão dos Moribundos
Nome:
Título do comentário
Comentário
 
 
 
 
 
* campos de preenchimento obrigatório
 

Autor


Filho único de um casal de judeus, Norbert Elias nasce em Breslau, na actual Polónia. Antes de ter ido trabalhar para o Instituto de Investigações Sociológicas, em Frankfurt, interessa-se por várias áreas do saber, nomeadamente pela Medicina, Psicologia, Filosofia e Sociologia.
Foge, em 1933, do Nazismo para a Suíça e depois para Paris, mas acaba por ir viver para a Grã-Bretanha, onde lecciona nas universidades de Cambridge e de Leicester, e onde escreve um conjunto de obras de importância capital na área das ciências sociais. Falece em Amsterdão em

(...)

Características

A Solidão dos Moribundos de Norbert Elias

Ano de edição ou reimpressão: 2001

Editor: Jorge Zahar

Idioma: Português do Brasil, Português

Dimensões: 150 x 230 x 20 mm

Encadernação: Capa mole

Páginas: 107


Tipo de Produto: Livro

Classificação Temática:

Livros em Português
Ciências Sociais e Humanas > Filosofia
Ciências Sociais e Humanas > Sociologia


A Solidão dos Moribundos
 
Heloisa Pontes, Jornal de Resenhas, 10/11/2001

"A grandeza da obra de Elias e sua originalidade residem em grande parte no método que ele adota para estudar determinado tema ou momento histórico. Em suas análises, sempre interdisciplinares, não há aspecto algum que prevaleça em relação aos demais. A sociedade é sempre um todo relacional, um entrelaçamento de indivíduos, e para estudá-la é necessário analisar todas as suas expressões (políticas, econômicas, sociais, estéticas, psíquicas)."
Cláudia Perrone Moisés, Jornal da Tarde, 27/10/2001

"Quem sabe Elias ajude a entender como os homens são profundamente iguais, mas também absolutamente diferentes e amarrados às suas próprias épocas."
Lilia Moritz Schwarcz, Folha de S.Paulo, 02/09/2001

"(...) Elias optou por um ensaio, à maneira de Montaigne; um trabalho erudito, ao qual não falta, contudo, a emoção, e que se completa, no mesmo volume, com a conferência "Envelhecer e Morrer". (...) Elias não pode nos oferecer um milagre — e se pudesse, não o faria através de um livro, este simples, modesto objeto. Mas ele pode nos ensinar a "falar mais clara e abertamente" sobre um tema que é difícil, senão impossível, de enfrentar. E, ao fazê-lo, ajuda-nos enormemente."
Moacyr Scliar, Jornal do Brasil, 01/09/2001

A morte é um tabu enraizado nas sociedades ocidentais avançadas, e lidar com ela — e com os moribundos — representa dificuldades extremas par..." />

Do mesmo autor

Norbert Elias 
Norbert Elias 
Norbert Elias 

Veja outros titulos do tema

ou os paradoxos da felicidade
Luc Ferry 
Para uma Fenomenologia da Vida e da Clínica
Florinda Martins 
Gaston Maire 
Preços, descontos e ofertas válidos apenas online
|   Condições gerais de venda   |   Compras 100% seguras   |   Política de Privacidade   |   Ajuda    |   Recrutamento   |
©2013 Grupo Bertrand Círculo. Todos os direitos reservados, Lisboa, Portugal