A Pedra ainda Espera Dar Flor - Dispersos - Raul Brandão
Edição/reimpressão:
2013
Editor:
Quetzal Editores
ISBN:
9789897220722
Idioma:
Português
10%
€19,90
Ganhe €1,99
Em stock - Envio imediato
 

Sinopse

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o Ensino Secundário como sugestão de leitura.

"Recolhido de quase quarenta publicações de todo o tipo, calibre e geografia, emergia pela primeira vez um imenso corpo textual de nítida proximidade com os temas recorrentes de Raul Brandão, que algumas vezes, e a considerável distância temporal, serve de base a passagens das suas Memórias, outras comenta livros da época, outras ainda, como os verbetes do Guia de Portugal, desdobra a escrita impressionista de Os Pescadores e de As Ilhas Desconhecidas, ou enfatiza todo o seu envolvimento com o teatro e desde muito cedo (1892). Ficava também em evidência a atenção central concedida a Columbano Bordallo Pinheiro e a Guerra Junqueiro (a quem, na verdade e recorde-se, Raul Brandão dedicou, respectivamente, Memórias e Os Pobres), a sua compaixão por Almeida Garrett janota, impiedosamente troçado nas gazetas e nas tertúlias, o seu fascínio por Camilo Castelo Branco, e trazia-se a primeiro plano a «História do batel Vai com Deus e da sua companha», folhetim da nossa vida piscatória publicado em 1901, claramente preanunciador de Os Pescadores, escrito duas décadas depois — e que não devia faltar, como anexo, a nenhuma edição desse livro digna do nome. As suas reportagens sobre jovens delinquentes, sem-abrigo, presos ou hospiciados de Lisboa, que Guilherme de Castilho mencionara e depois dele José Cardoso Pires, puderam pela primeira vez ser lidas nesses meus livros."

Da nota introdutória por Vasco Rosa.
A Pedra ainda Espera Dar Flor - Dispersos de Raul Brandão

comentários

Coloque aqui o seu comentário - A Pedra ainda Espera Dar Flor - Dispersos
Nome:
Título do comentário
Comentário
 
 
 
 
 
* campos de preenchimento obrigatório
 

Autor


Raul Brandão nasceu na Foz do Douro, Porto, a 12 de março de 1867, e morreu em Lisboa a 5 de dezembro de 1930. Militar de 1888 a 1911, quando se reformou do posto de capitão, foi ao jornalismo e à literatura que dedicou a sua vida, escrevendo livros, como Húmus, a sua obra-prima, ou peças de teatro como O Gebo e a Sombra, que impressionaram várias gerações até aos nossos dias. Sem nunca ter escrito poesia, a sua escrita é predominantemente poética, e a condição humana é o tema profundo da sua obra: simbolista-decadentista no início, com História de um Palhaço, impressionista no final, quando escreve Os Pescadores e As Ilhas Desconhecidas, considerado «um dos melhores livros de viagens de todos os tempos na literatura portuguesa». As suas Memórias – que agora se apresentam reunidas num único volume – são uma das grandes referências nacionais neste género (...)

Bibliografia

2017
Ponto de Fuga
2017
Quetzal Editores
2017
Editora Guerra & Paz
2015
Relógio D'Água
2014
Porto Editora

Características

A Pedra ainda Espera Dar Flor - Dispersos de Raul Brandão

Ano de edição ou reimpressão: 2013

Editor: Quetzal Editores

Idioma: Português

Dimensões: 149 x 235 x 34 mm


Tipo de Produto: Livro

Classificação Temática:

Livros em Português
Literatura > Memórias e Testemunhos
Plano Nacional de Leitura > 10.º ano
Literatura > Plano Nacional de Leitura > 11.º ano
Literatura > Plano Nacional de Leitura > 12.º ano


A Pedra ainda Espera Dar Flor - Dispersos
 

Do mesmo autor

Raul Brandão 
Raul Brandão 
Raul Brandão 

Veja outros titulos do tema

Carmen Dolores 
José Correia Guedes 
By the light of the rising sun
João Galamba 
Preços, descontos e ofertas válidos apenas online
|   Condições gerais de venda   |   Compras 100% seguras   |   Política de Privacidade   |   Ajuda    |   Recrutamento   |
©2013 Grupo Bertrand Círculo. Todos os direitos reservados, Lisboa, Portugal