A Pedra ainda Espera Dar Flor - Dispersos - Raul Brandão
Edição/reimpressão:
2013
Editor:
Quetzal Editores
ISBN:
9789897220722
Idioma:
Português
10%
€19,90
Ganhe €1,99
Em stock - Envio imediato
 

Sinopse

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o Ensino Secundário como sugestão de leitura.

"Recolhido de quase quarenta publicações de todo o tipo, calibre e geografia, emergia pela primeira vez um imenso corpo textual de nítida proximidade com os temas recorrentes de Raul Brandão, que algumas vezes, e a considerável distância temporal, serve de base a passagens das suas Memórias, outras comenta livros da época, outras ainda, como os verbetes do Guia de Portugal, desdobra a escrita impressionista de Os Pescadores e de As Ilhas Desconhecidas, ou enfatiza todo o seu envolvimento com o teatro e desde muito cedo (1892). Ficava também em evidência a atenção central concedida a Columbano Bordallo Pinheiro e a Guerra Junqueiro (a quem, na verdade e recorde-se, Raul Brandão dedicou, respectivamente, Memórias e Os Pobres), a sua compaixão por Almeida Garrett janota, impiedosamente troçado nas gazetas e nas tertúlias, o seu fascínio por Camilo Castelo Branco, e trazia-se a primeiro plano a «História do batel Vai com Deus e da sua companha», folhetim da nossa vida piscatória publicado em 1901, claramente preanunciador de Os Pescadores, escrito duas décadas depois — e que não devia faltar, como anexo, a nenhuma edição desse livro digna do nome. As suas reportagens sobre jovens delinquentes, sem-abrigo, presos ou hospiciados de Lisboa, que Guilherme de Castilho mencionara e depois dele José Cardoso Pires, puderam pela primeira vez ser lidas nesses meus livros."

Da nota introdutória por Vasco Rosa.
A Pedra ainda Espera Dar Flor - Dispersos de Raul Brandão

comentários

Coloque aqui o seu comentário - A Pedra ainda Espera Dar Flor - Dispersos
Nome:
Título do comentário
Comentário
 
 
 
 
 
* campos de preenchimento obrigatório
 

Autor


Raul Brandão nasceu na Foz do Douro, Porto, a 12 de março de 1867, e morreu em Lisboa a 5 de dezembro de 1930. Militar de 1888 a 1911, quando se reformou do posto de capitão, foi ao jornalismo e à literatura que dedicou a sua vida, escrevendo livros, como Húmus, a sua obra-prima, ou peças de teatro como O Gebo e a Sombra, que impressionaram várias gerações até aos nossos dias. Sem nunca ter escrito poesia, a sua escrita é predominantemente poética, e a condição humana é o tema profundo da sua obra: simbolista-decadentista no início, com História de um Palhaço, impressionista no final, quando escreve Os Pescadores e As Ilhas Desconhecidas, considerado «um dos melhores livros de viagens de todos os tempos na literatura portuguesa». As suas Memórias – que agora se apresentam reunidas num único volume – são uma das grandes referências nacionais neste género (...)

Bibliografia

2017
Ponto de Fuga
2017
Quetzal Editores
2017
Editora Guerra & Paz
2015
Relógio D'Água
2014
Porto Editora

Características

A Pedra ainda Espera Dar Flor - Dispersos de Raul Brandão

Ano de edição ou reimpressão: 2013

Editor: Quetzal Editores

Idioma: Português

Dimensões: 149 x 235 x 34 mm


Tipo de Produto: Livro

Classificação Temática:

Livros em Português
Literatura > Memórias e Testemunhos
Plano Nacional de Leitura > 10.º ano
Literatura > Plano Nacional de Leitura > 11.º ano
Literatura > Plano Nacional de Leitura > 12.º ano


A Pedra ainda Espera Dar Flor - Dispersos
 

Do mesmo autor

Raul Brandão 
Raul Brandão 
Raul Brandão 

Veja outros titulos do tema

Cristina Ferreira 
Raul Brandão 
Preços, descontos e ofertas válidos apenas online
|   Condições gerais de venda   |   Compras 100% seguras   |   Política de Privacidade   |   Ajuda    |   Recrutamento   |
©2013 Grupo Bertrand Círculo. Todos os direitos reservados, Lisboa, Portugal