Bertrand.pt - Já não me deito em pose de morrer
Opinião dos leitores
(1)

Já não me deito em pose de morrer

poemas escolhidos

de Cláudia R. Sampaio 

eBook
Editor: Porto Editora
Formatos Disponíveis:
10%
10,99€
Poupe 1,10€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Disponibilidade Imediata
EBOOK PARA BIBLIO READER

«Penso na poesia de Cláudia R. Sampaio como no discurso furioso que apenas alguém de profunda ternura poderia fazer. Sua tragédia, explícita, frontal, é a da saber a delicadeza quando tudo em seu redor propende para o grotesco e sua cabeça desafia para duvidar continuamente. Magnífica poeta, seu impasse é constante: "Quem sabe se não é agora que / possuo toda a loucura / e me faço mulher // Eu que da cintura para cima sou triste / e daí para baixo uma praia / a quem explodiram o mar / para depois o transformarem em / homem e em assombro também".

A expressão de Cláudia R. Sampaio é das mais contundentes da contemporaneidade. Não se ergue panfletária, ergue-se numa urgência íntima que não teme expôr, usando sua vulnerabilidade para força, como alguém que mapeia as feridas procurando cicatrizá-las, e também glorificá-las, com o verso. Toda a poesia abeira a terapêutica, e aqui a terapêutica é fundamental, inclusive como forma de classificar cada detalhe do mundo, como protesto e como alegria do possível. A loucura e a terapia são íntimas e fertilizam, a um tempo, o pensamento e a sabedoria.

Que maravilha o desabrido desta poesia. Que maravilha que não seja demasiado limpa, demasiado educada, e se coloque sobretudo enquanto necessidade além da razão e de qualquer etiqueta. Uma poesia que redime tanta coisa mas que também gratamente infecta: "desta vida à outra / castigaram-nos com abraços / afogando o adeus corcunda / adiantado pelas colisões das / palavras / veneno abençoado / do nosso lar.".»

Valter Hugo Mãe

  • Poemas-mulher
    Marisa Sousa | 08-05-2020

    Os poemas da Cláudia são mulheres-furacão. Se procura uma poesia cautelosa, certinha, que nunca questiona e nos come a calma de boca fechada, não leia a poesia da Cláudia, Se procura a mesmice do tem de ser porque sim, não a leia. A poesia da Cláudia traz uma faca afiada nos dentes e arrasa o tédio. Ler um poema por dia, para sentir a vida a morder.

Outros livros da coleção

Uma mulher aparentemente viva
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
12,20€
Porto Editora
Alegria para o fim do mundo
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
16,60€
Porto Editora
Já não me deito em pose de morrer
poemas escolhidos
ISBN: 978-972-37-2118-8 Editor: Porto Editora Idioma: Português Páginas: 164 Tipo de Produto: eBook Coleção: Elogio da sombra Formato: ePUB i Classificação Temática: eBooks  >  eBooks em Português  >  Literatura  >  Poesia

Quem comprou também comprou

Autópsia [poesia reunida]
10%
10% Cartão Leitor Bertrand
10,99€
Porto Editora
eBook
Sob a forma do silêncio
10%
10% Cartão Leitor Bertrand
9,99€
Porto Editora
eBook
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.