8 curiosidades sobre a língua portuguesa

Por: Beatriz Sertório a 2022-05-05 // Coordenação Editorial: Marisa Sousa

Marco Neves

Marco Neves

Marco Neves nasceu em Peniche e vive em Lisboa. Tem sete ofícios, todos virados para as línguas: tradutor, revisor, professor, leitor, conversador e autor. Não são sete? Falta este: é também pai, com o ofício de contar histórias. É professor na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e diretor do escritório de Lisboa da Eurologos. Escreve regularmente no blogue Certas Palavras. Já publicou os livros Doze Segredos da Língua Portuguesa, A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e o romance A Baleia que Engoliu Um Espanhol. Publicou também um ensaio literário, José Cardoso Pires e o Leitor Desassossegado. Regressa às dúvidas e subtilezas da nossa língua com a Gramática para Todos: O Português na Ponta da Língua.

VER +

10%

Almanaque da Língua Portuguesa
13,00€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

História do Português desde o Big Bang
14,00€ 12,60€
PORTES GRÁTIS

20%

Assim Nasceu uma Língua
16,50€ 13,20€
PORTES GRÁTIS

Escreve o tradutor, revisor e autor Marco Neves que "a língua - e em especial a língua a que chamamos nossa - é uma das maneiras que temos de criar coisas belas neste mundo." E se é verdade que "a beleza salvará o mundo" (Fiódor Dostoiévski), devemos então à nossa língua o nosso maior respeito e admiração.

No dia em que celebramos esta pátria, tão mais rica e extensa do que o limite das nossas fronteiras, que é a da língua portuguesa (celebra-se a 5 de maio, desde 2019, o Dia Mundial da Língua Portuguesa), partilhamos consigo oito curiosidades sobre a nossa língua que pode encontrar nos livros Almanaque da Língua Portuguesa e História do Português desde o Big Bang, de Marco Neves.


1. QUAL É O PRIMEIRO TEXTO ESCRITO EM PORTUGUÊS? 

Embora seja uma pergunta difícil de responder, até há poucos anos considerava-se que os textos mais antigos da nossa língua eram Notícias de Fiadores, de 1175, e Notícia de Torto, escrito entre 1211 e 1216. No entanto, há poucas décadas foi descoberto um texto denominado Pacto de irmãos, que terá sido escrito entre 1173 e 1174. É, contudo, perfeitamente possível, que existam textos anteriores, mas que não tenham sobrevivido até aos dias de hoje. Por sua vez, o primeiro livro impresso em língua portuguesa O Sacramental, data de 1488 e foi impresso na cidade de Chaves.

 

O Sacramental.

 

2. QUE LÍNGUA FALAVA D. AFONSO HENRIQUES?

No momento do nascimento de D. Afonso Henriques, entre 1106 e 1111, já se ouvia nas ruas do nosso país recém-formado, uma língua com muito mais características portuguesas do que latinas. Como exemplo, já se verificava a queda do /n/ e do /l/ em muitas palavras que noutras línguas (como o castelhano), ainda se mantêm - por exemplo, a «luna» latina passou a «lua» no português e manteve-se «luna» no castelhano. No entanto, apesar de ser já, em traços gerais, a nossa língua, ninguém usava ainda a designação «português» ou «língua portuguesa», sendo utilizado apenas o termo «linguagem». Esta linguagem que o primeiro Rei de Portugal falava desenvolveu-se a partir do latim vulgar, no Norte de Portugal, mas também na Galiza, sendo, por isso, designado atualmente como «galego-português». 

 

 

3. PORQUE DIZEMOS SEGUNDA-FEIRA, TERÇA-FEIRA, QUARTA-FEIRA...?

Devemos essa designação ao bispo de Braga, São Martinho de Dume que, no século VI, insistiu para que o nome eclesiástico dos dias da semana - «feria» - fosse utilizado também fora do âmbito eclesiástico. Mas se o primeiro dia da liturgia, o domingo, é designado como «primeira feria» porque não dizemos primeira-feira? A justificação reside no facto de domingo, sendo o Dia do Senhor, já ter um nome evidentemente cristão, bem como sábado, que deriva do Shabat hebraico, o dia de descanso entre os judeus e alguns grupos de cristãos. Desse modo, São Martinho só considerou necessário utilizar um novo nome no segundo, terceiro, quarto, quinto e sexto dia da semana - segunda feria, terceira feria, quarta feria, quinta feria, sexta feria. Ao longo do tempo, a oralidade transformou «feria» em «feira», dando origem à designação dos dias da semana tal como os conhecemos hoje.


 

4. SABIA QUE A ORIGEM DA PALAVRA «ZEBRA» É PORTUGUESA? 

É verdade, a palavra «zebra» foi exportada do português para a língua inglesa - e não o contrário, como poderia pensar. Deriva do nome «zevro» ou «zebro», um equídeo selvagem, atualmente extinto, que viveu na Península Ibérica até ao século XVI. Quando os navegadores portugueses chegaram ao Cabo da Boa Esperança, nos finais do século XV, e encontraram uns equídeos listrados parecidos com o zebro, deram-lhes o nome de «zebras».

 

Pintura rupestre de equídeos ibéricos.

 

5. QUANTAS VOGAIS EXISTEM NA LÍNGUA PORTUGUESA?

Embora seja habitual dizer que o português tem cinco vogais, na verdade, a nossa língua tem cinco letras que representam vogais. Quanto às vogais enquanto som, são em muito maior número. Por exemplo, o «a» em ator», «Ana» e «antes» representa três vogais diferentes. O mesmo acontece com o «o» em «olho», «ótimo» e «ontem». Deste modo, podemos dizer que a nossa língua tem catorze vogais diferentes. Pode encontrar abaixo todas as letras ou conjunto de letras que representam vogais diferentes:

 

  1. Ator
  2. Ana
  3. Antes
  4. Elo
  5. Ele
  6. Ele
  7. Entre
  8. Imagem
  9. Índia
  10. Ótimo
  11. Olho
  12. Ontem
  13. Universo
  14. Um

 

 

6. HÁ PALAVRAS QUE SÓ EXISTEM NA LÍNGUA PORTUGUESA?

Todas as línguas são desenvolvidas a partir de múltiplas origens, não existindo línguas isoladas. No entanto, segundo o linguista Fernando Venâncio, autor do livro Assim Nasceu uma Língua, existem algumas palavras que são exclusivas da língua portuguesa. Entre elas, encontram-se os verbos «engonhar», «acabrunhar», «espatifar» ou «açambarcar».

 

 

O linguista Fernando Venâncio, com o seu livro Assim Nasceu uma Língua, publicado em 2020 pela Guerra e Paz.

 

7. QUAIS OS ERROS DE PORTUGUÊS MAIS IMPERDOÁVEIS?

Embora existam inúmeros "atentados à língua portuguesa" que imaginamos que fariam Luís de Camões corar, Marco Neves elaborou uma lista daqueles que são, para si e para os leitores do seu blogue (Certas palavras), os erros de português mais imperdoáveis - ou, como o autor os apelida, verdadeiramente «irritantes». Entre estes, encontram-se, a título de exemplo, a colocação de um hífen na forma verbal «fizeste» (escrita incorretamente como «fizes-te»), a colocação incorreta do acento em "à" (frequentemente confundida com «á»), ou a expressão redundante «há X anos atrás», uma vez que a forma verbal do verbo «haver» no início da frase dispensa a utilização da palavra «atrás» para assinalar um período decorrido no passado.

 

 

8. PORQUE É QUE EXISTE UM DIA MUNDIAL DA LÍNGUA PORTUGUESA?

Com mais de 265 milhões de falantes espalhados pelo mundo, a língua portuguesa é o idioma mais falado no hemisfério sul e um dos mais falados no mundo inteiro. Curiosamente, é a única língua internacional em que nenhum dos estados que a tem como língua oficial faz fronteira com outro estado com a mesma língua oficial. Tendo sido estabelecido pela Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e, posteriormente, oficializado pela UNESCO (em 2019), o Dia Mundial da Língua Portuguesa celebra, anualmente, o português enquanto língua global de ciência, cultura, economia, diplomacia e paz. Este ano, será celebrado em 44 países com mais de 150 atividades planeadas, entre as quais a cerimónia de entrega do Prémio Camões ao autor angolano Pepetela, pela obra Sua excelência, de corpo presente.

 

 


Celebre o Dia Mundial da Língua Portuguesa, com a nossa campanha de descontos até 50%.

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.