3 poemas de Pedro Tamen (1934-2021)

Por: Bertrand Livreiros a 2021-07-30

Pedro Tamen

Pedro Tamen

Poeta português, Pedro Mário Alles Tamen (1 de dezembro de 1934 - 29 de julho de 2021) nasceu em Lisboa.
Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, foi diretor de uma editora (Editora Moraes) e administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, e co-dirigiu as revistas Anteu e Flama. Lecionou no ensino secundário, fez crítica literária no semanário Expresso e foi ainda presidente do PEN Clube Português, entre 1987 e 1990.
Traduziu Imitação de Cristo, dos Fioretti de S. Francisco, Cantos de Maldoror, de Breton, e ainda outras obras de autores como Sartre, Foucault, Camilo José Cela, Georges Bataille, Georges Pérec, Flaubert e Gabriel García Márquez. Em 1990 obteve o Grande Prémio da Tradução.
Depois de uma crise religiosa, converteu-se ao catolicismo em 1953, não deixando as obras de estreia, em 1956 e 1958, de refletir uma busca da transcendência, traduzida numa escrita poética fundada na rutura com a causalidade e com a referência, encontrando no esplendor da própria linguagem o efeito lustral da palavra. Para António Ramos Rosa, "a poesia de Pedro Tamen é um incessante exercício de liberdade que corre o risco de se perder na insignificação total e, por outro lado, uma busca permanente de uma frescura inicial (que é a frescura da dimensão do instante recuperado na sua transparência); e, além disso, não obstante a opacidade negativa de muitos dos seus poemas, é também a reinvenção que, no próprio obscurecimento do sentido, instaura uma possibilidade aleatória, que é já uma esperança e uma vitória sobre o drama existencial" (ROSA, António Ramos - Incisões Oblíquas, p. 91).
A sua obra poética, iniciada em 1956 com Poema para Todos os Dias (Ed. Do Autor, Lisboa) encontra-se reunida em Retábulo das Matérias (Gótica, Lisboa, 2001). Em 1999 foi publicado um disco-antologia intitulado Escrita Redita (poemas ditos por Luís Lucas; Ed. Presença / Casa Fernando Pessoa). Em 2006 a Oceanos publicou o seu livro de poesia Analogia e Dedos. A poesia de Pedro Tamen mereceu já as seguintes distinções: Prémio D. Dinis (1981), Prémio da Crítica (1991), Grande Prémio Inapa de Poesia (1991), Prémio Nicola (1997), Prémio da Imprensa e prémio PEN Clube (2000).

VER +

10%

Retábulo das Matérias
40,00€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Rua de Nenhures
11,90€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Um Teatro às Escuras
9,90€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

O Livro do Sapateiro
9,90€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

Últimos artigos publicados

3 poemas de António Franco Alexandre

Revisitando a reunião de Poemas, levada a cabo em 1996, a Assírio & Alvim faz agora chegar às livrarias uma nova edição revista dos poemas publicados por António Franco Alexandre posteriores a essa data (Quatro Caprichos, Uma Fábula, «Aniversário», Duende e Aracne) e um conjunto de inéditos com o título «Carrocel». António Franco Alexandre fez os seus estudos académicos nas áreas de Matemática e Filosofia em França e nos EUA. Após o seu regresso a Portugal, em 1975, é convidado para professor de Filosofia na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde lecionou até meados de 2009. Embora se tenha estreado como poeta ainda na década de sessenta, é sobretudo a partir da publicação de Sem Palavras nem Coisas (1974) que a sua obra se afirmou. Partilhamos consigo três poemas desta voz incontornável no nosso panorama literário.

"Esmola", de Hélia Correia

Poetisa e ficcionista, Hélia Correia é  reconhecida, principalmente, como uma das revelações da novelística portuguesa da geração de 1980. Contudo, mesmo nos seus contos, novelas ou romances, é o discurso poético que prevalece.  Recentemente, este valeu-lhe o Prémio P.E.N. Clube na categoria Poesia, com  o livro Acidentes. Faz parte deste livro o poema que partilhamos hoje convosco.

"Regresso a casa", de José Luís Peixoto

"Regresso a casa" é o poema que dá o título ao quarto livro de poesia de José Luís Peixoto e fala-nos das quatro paredes de uma casa - e de todas as suas recordações em tempo de pandemia. Foi o vencedor do Prémio Livro do Ano Bertrand 2020 na categoria de poesia.

O poeta Pedro Tamen, de 86 anos, morreu esta quinta-feira, 29 de julho, em Setúbal, onde estava hospitalizado, disse à agência Lusa fonte próxima da família. Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, foi diretor de uma editora (Editora Moraes), administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, e codirigiu as revistas Anteu Flama. Lecionou no ensino secundário, fez crítica literária no semanário Expresso, foi ainda presidente do PEN Clube Português, entre 1987 e 1990, e tradutor, tendo recebido, em 1990, o Grande Prémio da Tradução.


Palavras que disseste e já não dizes,
palavras como um sol que me queimava,
olhos loucos de um vento que soprava
em olhos que eram meus, e mais felizes.

Palavras que disseste e que diziam
segredos que eram lentas madrugadas,
promessas imperfeitas, murmuradas
enquanto os nossos beijos permitiam.

Palavras que dizias, sem sentido,
sem as quereres, mas só porque eram elas
que traziam a calma das estrelas
à noite que assomava ao meu ouvido…

Palavras que não dizes, nem são tuas,
que morreram, que em ti já não existem
– que são minhas, só minhas, pois persistem
na memória que arrasto pelas ruas.

 

Pedro Tamen, in "Retábulo das matérias - Poesia 1956-1991"

 

**************

Devagar te amo, e devagar assomo

os dedos à altura dos olhos, do cabelo

dos anéis de outro turno, que é só meu

por querê-lo, meu amor, como a ti mesma quero

nos tempos de passado e sem futuro.

Devagar avanço um dealbar de dias

que vida seriam - mesmo que morto, à noite,

eu voltasse amargurado mas presente,

calado e quedo, e devagar amando.

 

Pedro Tamen, in “Rua de Nenhures”

 

***************

Não sei, amor, sequer, se te consinto
ou se te inventas, brilhas, adormeces
nas palavras sem carne em que te minto
a verdade intemida em que me esqueces.

Não sei, amor, se as lavas do vulcão
nos lavam, veras, ou se trocam tintas
dos olhos ao cabelo ou coração
de tudo e de ti mesma. Não que sintas

outra coisa de mais que nos feneça;
mas só não sei, amor, se tu não sabes
que sei de certo a malha que nos teça,

o vento que nos leves ou nos traves,
a mão que te nos dê ou te nos peça,
o princípio de sol que nos acabes.

Pedro Tamen, in
"Retábulo das matérias - Poesia 1956-1991"

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.