"Os elevadores de Lisboa", de Lawrence Ferlinghetti

Por: Bertrand Livreiros a 2021-02-24 // Coordenação Editorial: Marisa Sousa

Lawrence Ferlinghetti

Lawrence Ferlinghetti

Lawrence Ferlinghetti (Yonquers, Nova Iorque, 24 de março de 1919 – São Francisco, 22 de fevereiro de 2021) foi um poeta, editor e pintor americano. Um dos autores mais importantes da Geração Beat, foi o fundador (em 1953) da livraria e editora City Lights, de São Francisco, e editor de escritores como Allen Ginsberg, Bukowski, Bowles, Sam Shepard ou Artaud. Em Portugal estão publicados uma antologia, Como Eu Costumava Dizer, e o ensaio A Poesia como Arte Insurgente. É considerado o decano dos poetas americanos. O livro Coney Island of the Mind vendeu mais de um milhão de exemplares.

VER +

10%

Rapazinho
16,60€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Coney Island Of The Mind
10,08€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Ferlinghetti S Greatest Poems
16,39€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

A Poesia como Arte Insurgente
15,00€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

Últimos artigos publicados

3 Poemas de Cruzeiro Seixas

Decano da arte portuguesa e um dos grandes nomes do Surrealismo português e europeu, Artur do Cruzeiro Seixas nasceu em 3 de dezembro de 1920.  No seu longo percurso artístico, conta com uma fase expressionista, outra neorrealista e outra, com início no final dos anos 40, mais prolongada, em que integra o movimento Surrealista Português, ao lado de Mário Cesariny, Carlos Calvet, António Maria Lisboa, Pedro Oom ou Mário Henrique Leiria. Foi um dos seus precursores e atualmente é considerado um dos seus máximos expoentes. No dia em que celebraria 101 anos, recordamos a sua poesia.

"Minha Cabeça estremece", de Herberto Helder

Se fosse vivo, Herberto Helder (1930-2005) completaria hoje 91 anos. Considerado um dos mais importantes autores portugueses, a vida do poeta que procurava dizer “como tudo é outra coisa” permanece, em grande parte, envolta em mistério. Controverso, impossível de categorizar e, sobretudo, muito respeitado pelos seus pares e leitores, o autor manteve, ao longo da sua vida, uma grande distância da atenção mediática, tendo mesmo recusado o Prémio Pessoa, em 1994. Deste modo, conhecer Herberto Helder é possível, essencialmente, a partir da leitura da sua obra; conhecemos não o homem mas o poeta, essa criatura “mais mortal do que os outros animais”. 

"Poeta é um ser que lambe as palavras"

Para Manoel de Barros, um dos mais aclamados poetas brasileiros de sempre, a poesia era uma “voz de fazer nascimentos”. Apesar de ter escrito o seu primeiro livro de poemas aos 19 anos de idade (Poemas Concebidos sem Pecado), só ficou conhecido aos 64, quando Millôr Fernandes o descobriu e divulgou. A partir daí, levaria a literatura brasileira a atravessar o oceano, valendo-lhe a comparação a Guimarães Rosa, enquanto figura de proa do panorama literário do seu país. 

Escrevia Lawrence Ferlinghetti: "The greatest poem is lyric life itself". Com ele, parecia dialogar Agostinho da Silva quando afirmou: "Quando acabássemos, dever-se-ia dizer: morreu um poema". Hoje, dia 24 de fevereiro, morreu um poema.

Com 101 anos, aquele que para além de ter sido o último poeta da geração Beat, foi também editor, ativista, pintor, dramaturgo e tradutor, morreu vítima de uma doença pulmonar. De ascendência portuguesa, vivia em São Francisco, nos EUA, cidade onde o seu dia de aniversário (24 de março) foi proclamado como o Dia de Lawrence Ferllinghetti, e era sobretudo conhecido pela sua obra poética, da qual se destaca A Coney Island of the Mind, e por ser o fundador da livraria e editora City Lights. Ponto de encontro importante dos beats, esta foi a editora responsável por publicar a maior parte dos seus livros, tendo estado envolvida na controvérsia gerada em volta do livro de Allen GinsbergUivo (razão pela qual Ferllinghetti chegou mesmo a ser preso). Por ocasião do seu centésimo aniversário, escreveu Rapazinho, publicado pela Quetzal em 2019, que se assume como um testemunho autobiográfico do autor.

No dia em que lhe dizemos adeus, recordamo-lo com um poema que escreveu por ocasião de uma visita à cidade de Lisboa, e que dedicou ao cantor e compositor Jorge Palma.


Os elevadores de Lisboa, de Lawrence Ferlinghetti 

Os elevadores de Lisboa

sobem e descem e descem e sobem desde o início dos tempos

levando a vida de Lisboa

acima e abaixo e abaixo e acima como as riquezas de Lisboa

foram crescendo e decrescendo cima e abaixo e abaixo e acima

E os elevadores de Lisboa foram os primeiros a nascer na cabeça de Monsieur Eiffel

o mesmo Monsieur Eiffel

que só muito mais tarde construiu a Torre Eiffel em Paris mas os elevadores de Lisboa

foram a verdadeira obra da sua vida acima e abaixo e abaixo e acima

Os elevadores de Lisboa

contam a história de Lisboa

acima e abaixo e abaixo e acima

contam por exemplo quando em tempos idos

 

havia aquele tipo com o olho de peixe

que passou a controlar os elevadores da cidade como já fizera a tudo o mais

e foi essa a sua última grande conquista

e ordenou que nenhum elevador da cidade pudesse deixar o chão

sem a sua autorização pessoal e por escrito e a ninguém foi permitido

subir e descer e descer e subir

ou sequer superar-se a si próprio

ou voar ou subir fosse aonde fosse

sem a sua autorização pessoal e por escrito.

E assim toda a população estava acorrentada ao chão

e especialmente nas igrejas os elevadores estavam proibidos de subir e descer e descer e subir

e cada um ficava como um pequeno confessionário eternamente parado

Mas apesar de tudo um belo dia

tal como está escrito nos anais dos elevadores aquele homenzinho com o olho de peixe entrou no famoso elevador de monsieur Eiffel para subir e descer e descer e subir

mas enganou-se no botão

tal como está escrito nos anais da cidade

e foi pelo caminho errado

e desceu e desceu em vez de subir e subir

 

e desceu e desceu e desceu

direito ao inferno do Signor Dante

e nunca mais se ouviu falar

e nunca mais foi visto

aquele homenzinho com o grande olho de peixe desapareceu para todo o sempre

embora ainda haja um estranho cheiro a peixe podre em certos dias na cidade

Mas entretanto os velhos e lindos elevadores de Lisboa retomaram os seus velhos rumos

continuando a levar a vida de Lisboa

acima e abaixo e abaixo e acima

e como sempre fizeram

continuam a levar os amantes de Lisboa acima e abaixo e abaixo e acima

especialmente à noite quando os amantes de Lisboa não encontram outro sítio para fazer amor

os elevadores de Lisboa

levam-nos acima e abaixo e abaixo e acima

os elevadores de Lisboa levam os amantes de Lisboa acima e acima e acima e acima

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.